Busca

Vatican News
Lixão em Freetown, capital de Serra Leoa Lixão em Freetown, capital de Serra Leoa  (AFP or licensors)

Nigéria, Serra Leoa, Equador e Bolívia recebem ajudas do Fundo Covid instituído pelo Papa

Não param de chegar pedidos de ajuda de várias partes do mundo ao Fundo Covid-19 instituído pelo Papa Francisco junto às POM. São inúmeras as terras de missão já beneficiadas nos contientes africano, asiático e americano.

Cidade do Vaticano

Em muitas dioceses dos territórios missionários, as graves consequências da pandemia de Covid-19, de natureza social, econômica e de saúde, somaram-se a situações já dramáticas, como no caso das dioceses nigerianas, que pediram ajuda ao Fundo Covid-19 instituído pelo Papa Francisco junto às Pontifícias Obras Missionárias (POM) para apoiar as Igrejas dos países missionários diante da emergência da Covid-19.

Dioceses na Nigéria

 

Na Arquidiocese de Kaduna, o grave impacto da Covid-19 aumentou o sofrimento da população já duramente provada por ataques terroristas contra as comunidades cristãs, que provocaram mortes, ferimentos e numerosos deslocados internos, bem como um clima geral de medo.

Quem mais sofre são as crianças pobres e vulneráveis, que buscam refúgio nas paróquias, mas os sacerdotes não têm os meios materiais para sustentá-las, uma vez que, sem as Celebrações Eucarísticas, eles não conseguem sequer ter o suficiente para seu sustento diário.

 

As ajudas enviadas pelo Fundo POM servirão para apoiar os agentes pastorais e o pessoal empregado nas paróquias, além de adquirir kits de proteção à saúde necessários para enfrentar a pandemia. De fato, no último mês, houve um aumento dos contágios, porque na região muitos se recusam a ficar em casa e a respeitar as regras de prevenção, devido à alta taxa de analfabetismo.

Também a Diocese de Maiduguri, nos últimos anos, sofreu grandes danos devido aos ataques de grupos terroristas do Boko Haram, que destruíram cerca de 300 igrejas e centros pastorais, centros de saúde e escolas, deixando mortos e feridos, além de provocar o deslocamento de milhares de pessoas. Há um grande número de viúvas, de órfãos e pessoas deslocadas internamente, que são assistidos pela diocese, que agora também se depara com as consequências da pandemia de Covid-19. Portanto, são necessárias ajudas para os funcionários diocesanos, médicos e sacerdotes, que prestam assistência às comunidades nas áreas mais remotas e para a compra de material de proteção à saúde.

A Diocese de Osogbo, uma jovem diocese rural criada em 1995, normalmente tira o sustento para suas atividades pastorais das coletas durante as Missas dominicais e de outras ofertas provenientes da generosidade dos fiéis. O isolamento fechou igrejas e interrompeu as atividades pastorais, o brigando a diocese a reduzir ou eliminar despesas. Não obstante isso, necessita de ajuda externa para garantir um apoio mínimo aos agentes pastorais e às comunidades religiosas.

A Diocese de Ilorin também uma área rural de maioria muçulmana, onde os católicos são apenas 4%, quase todos os camponeses, agricultores, pequenos comerciantes, com baixa escolaridade ou analfabetos. Portanto, é extremamente difícil, com as consequências do isolamento, garantir apoio aos agentes pastorais, que se dedicam generosamente a ajudar e proclamar o Evangelho.

Serra Leoa

 

Os fiéis da Arquidiocese de Freetown, em Serra Leoa, assim como aqueles de todas as regiões em que foi decretado o fechamento das igrejas, nos últimos tempos puderam participar da Missa somente pelas transmissões de rádio e Internet. Dessa maneira, os cristãos que não puderam se reunir, tampouco puderam prover o sustento de seus sacerdotes, religiosos e catequistas engajados na promoção humana e na proclamação do Evangelho. Em particular, necessitam de apoio as escolas administradas pela Igreja, que realizam um importante trabalho de formação e educação para as gerações mais jovens.

Equador e Bolívia

 

Também na América Latina existem circunscrições eclesiásticas confiadas ao Dicastério Missionário, onde a Igreja ainda não está suficientemente desenvolvida para as situações sociais e econômicas locais. Em particular, o Fundo de Emergência da POM enviou ajuda ao Vicariato Apostólico de Puyo, Equador, que será usado em particular para apoiar o serviço de saúde da população amazônica e ao Vicariato Apostólico de Beni, Bolívia, uma das áreas mais afetadas pelo coronavírus. A população sofre não somente pelo constante perigo de adoecer, mas também da falta de recursos econômicos. A Igreja distribui alimentos e medicamentos para as famílias mais necessitadas, compartilhando um momento de oração com elas, sempre respeitando as regras de segurança da saúde.

Para aqueles que desejarem contribuir, os dados bancários são: IBAN IT84F0200805075000102456047 (SWIFT UNCRITMMM), em favor de Administração Pontifícias Obras Missionárias, indicando: Fondo Coronavírus.

Para maiores informações sobre número de conta, entrar no site das Pontifícias Obras Missionárias, clicando aqui.

(SL - Agência Fides)

09 julho 2020, 12:24