Cerca

Vatican News
Missa presidida pelo Santo Padre no Centro Esportivo Príncipe Moulay Abdellah, em Rabat Missa presidida pelo Santo Padre no Centro Esportivo Príncipe Moulay Abdellah, em Rabat  (Vatican Media)

Liturgia: Igreja nos ajuda a descobrir passo a seguir

"Aquilo que a Igreja no seu todo, no seu magistério reflete, partilha, como eco também do conjunto da Igreja e dá orientações para a liturgia, deve ser acatado como o caminho a seguir, porque é o caminho da Igreja", diz o cardeal Caboverdiano, Dom Arlindo Gomes Furtado.

Jackson Erpen – Cidade do Vaticano

No nosso espaço Memória Histórica, 50 anos do Concílio Vaticano II, propomos hoje o tema “Igreja nos ajuda a descobrir em conjunto o passo a seguir e as expressões mais adequadas no nosso tempo”.

Ouça e compartilhe!

No programa passado, falamos sobre a necessidade de encontrar um ponto de equilíbrio entre “os dois extremos do pêndulo na liturgia”. Recordamos  na ocasião que não há um juízo unânime sobre as reformas efetivamente realizadas com a Constituição Sacrosanctum Concilium. No que tange aos novos livros litúrgicos elaborados, por exemplo, muitos consideram que estes refletem demasiado o espírito da nova teologia sem levar suficientemente em consideração a tradição. Outro grupo, por sua vez, lamenta de que ainda não se tenha ampliado o quadro estreito da visão rubricista e que se tenha assim fixado definitivamente nos novos livros litúrgicos, elementos que ainda não tinham sido provados e que por esta causa pareciam até duvidosos.

 

Ao encontrar os participantes da Assembleia Plenária da Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos na quinta-feira, 14 de fevereiro, o Papa Francisco alertou para o risco de acabar – quer na liturgia como em outros âmbitos da vida - em “estéreis polarizações ideológicas”. “Começando quem sabe pelo desejo de reagir a algumas inseguranças do contexto atual – advertiu, referindo-se à liturgia -  corre-se o risco de voltar-se a um passado que não existe mais ou de fugir para um  futuro presumido como tal”. 

O cardeal caboverdiano Dom Arlindo Gomes Furtado, presente no encontro com  com o Santo Padre, falou-nos sobre a importância desta busca de equilíbrio:

O Papa insistiu e nós também aprofundamos este aspecto, de que a liturgia não depende, digamos, do gosto pessoal de cada um, não se sente no “eu”, mas no “nós” da Igreja. Liturgia é uma expressão de Igreja, é uma vivência de Igreja, da sua relação com Deus, e naturalmente tem a sua repercussão na relação com tudo o que fazemos, toda a nossa vida deve exprimir isto. Por isso, a Igreja procura falar uma linguagem comum, uma linguagem partilhada. E digo .... a centralidade de Jesus Cristo. Mas é o “nós” com Jesus Cristo, não é o “eu” com Jesus, o “eu” com Deus. Isso não exprime o espírito e a realidade da liturgia. Por isso, aquilo que a Igreja no seu todo, no seu magistério reflete, partilha, como eco também do conjunto da Igreja e dá orientações para a liturgia, deve ser acatado como o caminho a seguir, porque é o caminho da Igreja. E nós fazemos o nosso caminho em Igreja, para reforçar a Igreja, sempre seguindo a cabeça que é Jesus Cristo que deu à Igreja um serviço para o bem de todos. Portanto, o não exagero na questão de nos fixarmos numa metodologia, numa modalidade, ou numa expressão litúrgica, mas a Igreja nos ajuda a descobrir em conjunto o passo a seguir e as expressões mais adequadas no nosso tempo, para exprimir e aprofundar e revigorar a nossa vivência comum Jesus Cristo”.

02 abril 2019, 11:49