Busca

Vatican News

Covid-19: na Igreja Ortodoxa russa mais que dobrou número de voluntários

"Estamos vendo cada vez mais pessoas se oferendo para o voluntariado, participando de iniciativas de caridade e ajudando os outros. O amor ao próximo nos aproxima de Cristo. Isso é particularmente importante e valioso neste momento em que a maior parte das pessoas ainda não tem a oportunidade de se dirigir aos locais de culto", comentou o bispo de Orekhovo-Zuevsky, presidente do Departamento de Caridade e Serviços Sociais da Igreja Ortodoxa russa.

Vatican News

Cerca de 7 mil voluntários, 96 linhas telefônicas e mais de 100 serviços oferecidos: esses são os números de caridade da Igreja Ortodoxa Russa, que nesses meses de emergência médica não esqueceu os últimos e os mais necessitados.

Alimentos, medicamentos e bens de primeira necessidade foram distribuídos sem distinção de nacionalidade, cidadania ou religião. Também aumentou o número de projetos sociais.

 

Nas Dioceses de Sochi, Kaluga, Armavir e Cheboksary, em particular, o número de voluntários mais que dobrou e, desde o início de maio, 526 pessoas se inscreveram no serviço ortodoxo de misericórdia em Moscou.

Cerca de 1.500 ligações chegam à sede dos serviços de caridade na capital russa todas as semanas. Foi criado um serviço telefônico 24 horas em Kaliningrado, enquanto milhares de refeições quentes são distribuídas na Diocese de Simferopol, onde 378 voluntários estão envolvidos no acolhimento de pacientes nos hospitais.

"Estamos vendo cada vez mais pessoas se oferendo para o voluntariado, participando de iniciativas de caridade e ajudando os outros - comenta o presidente do Departamento de Caridade e Serviços Sociais da Igreja sinodal, Panteleimon, bispo de Orekhovo-Zuevsky -. O amor ao próximo nos aproxima de Cristo. Isso é particularmente importante e valioso neste momento em que a maior parte das pessoas ainda não tem a oportunidade de se dirigir aos locais de culto".

Nesta sexta-feira, 22, havia 326.448 casos confirmados de Covid-19 na Rússia, com 3.249 mortes. (TC)

22 maio 2020, 12:50