Cerca

Vatican News
Líderes sul-sudaneses assinaram Acordo em 12 de setembro na capital etíope Adis-Abeba Líderes sul-sudaneses assinaram Acordo em 12 de setembro na capital etíope Adis-Abeba  (AFP or licensors)

Presidente dos bispos do Sudão do Sul saúda Acordo de paz no país

“Enquanto estávamos ainda em Roma, reunidos com o Santo Padre, em 12 de setembro os líderes políticos sul-sudaneses assinaram o documento final dos acordos para a paz. É algo que se pode quase definir um milagre em sentido espiritual”, afirma o presidente dos bispos do país africano, Dom Barani Eduardo.

Cidade do Vaticano

“A visita ad Limina ao Papa Francisco gerou o milagre da assinatura do acordo de paz no Sudão do Sul”, escreveu o bispo sul-sudanês de Tombura-Yambio e presidente da Conferência episcopal que reúne os bispos do Sudão e Sudão do Sul, Dom Barani Eduardo Hiiboro Kussala, numa mensagem publicada ao retornar da visita.

Acordo de paz é um milagre em sentido espiritual

“Enquanto estávamos ainda em Roma, reunidos com o Santo Padre, em 12 de setembro os líderes políticos sul-sudaneses assinaram o documento final dos acordos para a paz. É algo que se pode quase definir um milagre em sentido espiritual”, afirma o prelado.

Incessante ação do Papa pela paz no Sudão do Sul

“Desde o dia em que eclodiu uma das guerras mais longas e insensatas, o Santo Padre jamais deixou de rezar, de lançar apelos e de trabalhar pelo fim do conflito no Sudão do Sul. Se o acordo de paz foi assinado enquanto estávamos sob seu manto paterno, podemos bem dizer que foi um milagre!”

É compreensível o entusiasmo de Dom Barani Eduardo, considerando que numa recente entrevista à agência missionária Fides havia expresso reservas diante das dificuldades de se alcançar um entendimento definitivo para dar fim à sangrenta guerra civil eclodida em dezembro de 2013 no mais jovem país africano.

Acordo alcançado e assinado em Adis-Abeba

O acordo foi assinado em 12 de setembro na capital etíope Adis-Abeba pelo presidente do Sudão do Sul, Salva Kiir, e pelo líder rebelde, o ex-vice-presidente Riek Machar. Entre outros, o acordo prevê que Machar reassuma o encargo de vice-presidente.

Em sua mensagem o presidente dos bispos expressa reconhecimento às partes sul-sudanesas e aos líderes regionais reunidos no Igad – Autoridade intergovernamental sobre o desenvolvimento –, em particular, os do Sudão, Uganda, Quênia e Etiópia, que mediaram pelo alcance do acordo.

Dificuldades a serem superadas

O bispo de Tombura-Yambio reconhece, porém, as dificuldades a serem ainda superadas como “uma certa falta de transparência e a exclusão de outras partes que dizem respeito ao processo”.

“Pedimos a todas as partes que se abstenham do uso de uma linguagem incendiária e intimidadora. As partes em conflito devem demonstrar com suas ações e com as palavras que se empenham pela paz.”

Sudão e Sudão do Sul, construir juntos um futuro melhor

Dom Barani Eduardo conclui lançando um apelo aos “povos do Sudão e do Sudão do Sul a tecer uma rede no sentido de construir um futuro melhor para ambas as nações”.

(Fides)

21 setembro 2018, 17:05