Busca

Vatican News
País tem sido sacudido por protestos contra a paralisia da classe política em resolver os prementes problemas do país País tem sido sacudido por protestos contra a paralisia da classe política em resolver os prementes problemas do país  (AFP or licensors)

No Líbano, instituição católica trabalha para amenizar drama da pobreza em aumento

“A situação é muito grave, moralmente, psicologicamente, financeiramente e socialmente", diz o diretor regional da CNEWA. “Atualmente o Líbano está perdendo seus jovens e seus recursos humanos instruídos e qualificados. Médicos, pessoal de saúde, professores, economistas e outros profissionais deixam o país em busca de um futuro melhor no exterior. A atual crise financeira e monetária está afetando hospitais, escolas, universidades, inclusive as obras administradas pela Igreja Católica e pelas comunidades religiosas”.

Tiziana Campisi – Vatican News

O escritório regional da Catholic Near East Welfare Association (CNEWA) de Beirute, recebeu US $ 460.000 para garantir alimentos para 7.050 famílias necessitadas. Graças à colaboração de 12 parceiros, a associação de caridade deu início neste mês de abril a um programa de distribuição de alimentos que se estenderá até julho, informa

“A situação é muito grave, moralmente, psicologicamente, financeiramente e socialmente - afirma Michel Constantin, diretor regional da CNEWA -. Nestes tempos difíceis, a presença e o papel da CNEWA são cruciais para a Igreja e para o povo libanês. Devemos agir rapidamente, para responder a todas as catástrofes e sofrimentos que não param de aumentar”.

A CNEWA recorda que nas últimas semanas, eclodiram protestos em todo o país, enquanto as autoridades políticas parecem paralisadas em seus esforços para formar um governo e a moeda do Líbano continua a desvalorizar.

 

Os dirigentes da Igreja Católica, incluindo o patriarca maronita Bechara Boutros Rai, juntamente com os bispos greco-católicos melquitas, liderados pelo patriarca Youssef Absi, lançaram um apelo às autoridades políticas para assumirem as suas responsabilidades e agirem rapidamente para a formação de um governo. Ambos os patriarcas também pediram ao governo libanês para reafirmar a posição neutra do Líbano na política externa, particularmente nos conflitos geopolíticos do Oriente Médio, e destacaram a difícil situação em que o povo libanês se encontra.

50% da população vive abaixo do nível de pobreza, a moeda libanesa perdeu cerca de 85% do seu valor no mercado internacional, deixando o país, altamente dependente de importações, em situação precária e vulnerável. A taxa de desemprego é de 40 %, quase quadruplicando desde 2019, e muitos jovens profissionais estão emigrando.

“Atualmente o Líbano está perdendo seus jovens e seus recursos humanos instruídos e qualificados - explicou Michel Constantin -. Médicos, pessoal de saúde, professores, economistas e outros profissionais deixam o país em busca de um futuro melhor no exterior. A atual crise financeira e monetária está afetando hospitais, escolas, universidades, inclusive as obras administradas pela Igreja Católica e pelas comunidades religiosas”.

Para o diretor regional da CNEWA, “se isso continuar, o Líbano, que já foi um país com mensagem de liberdade e pluralismo (...) corre o risco de entrar em colapso, perder todos os seus recursos humanos e patrimônio consolidado e se tornar um pequeno país pobre com uma população idosa".

É o momento de ajudar a Igreja a desenvolver estratégias reais e concretas para preservar seu longo patrimônio e legado - concluiu Michel Costantin - incluindo escolas, hospitais, instituições sociais e, sobretudo, sua gente”.

Vatican News Service - TC

06 abril 2021, 13:08