Busca

Vatican News
A passagem dos símbolos da JMJ 2023 em celebração no Vaticano, no domingo (22) A passagem dos símbolos da JMJ 2023 em celebração no Vaticano, no domingo (22) 

JMJ 2023: símbolos em Portugal para um caminho de esperança

Na celebração de entrega da Cruz e do Ícone da JMJ, no último domingo (22), na Basílica de São Pedro, o Papa Francisco exortou os jovens a viverem grandes sonhos praticando as “obras de misericórdia” que são “as mais belas obras da vida”.

Rui Saraiva

Ouça a reportagem e compartilhe

Esperança no caminho dos jovens: com a Cruz do Redentor e na presença de Maria, inicia-se uma Jornada que durará até 2023 no acolhimento ao mundo nas margens do Tejo.

Grandes sonhos de misericórdia

Os jovens portugueses que em Roma receberam os símbolos das Jornadas Mundiais da Juventude assumiram, em nome de todos, uma missão cheia de grandes sonhos, tal como disse o Papa Francisco na homilia da missa celebrada na Basílica de São Pedro, na Solenidade de Cristo Rei, no domingo, 22 de novembro. “Não renunciemos aos grandes sonhos”, disse o Santo Padre, que acrescentou:

“Queridos jovens, queridos irmãos e irmãs, não renunciemos aos grandes sonhos. Não nos contentemos com o que é devido. O Senhor não quer que restrinjamos os horizontes, não nos quer estacionados nas margens da vida, mas correndo para metas altas, com júbilo e ousadia. Não fomos feitos para sonhar as férias ou os fins de semana, mas para realizar os sonhos de Deus neste mundo. Ele tornou-nos capazes de sonhar para abraçar a beleza da vida. E as obras de misericórdia são as obras mais belas da vida. Se tens sonhos de verdadeira glória – não da glória passageira do mundo, mas da glória de Deus –, esta é a estrada; porque as obras de misericórdia dão mais glória a Deus do que qualquer outra coisa.”

Os grandes sonhos começam-se a realizar tomando “opções grandes”, sublinhou o Papa, exortando os jovens do Panamá e de Portugal presentes na missa a não se restringirem a “escolhas banais”, mas a assumirem escolhas que renunciem ao egoísmo e às dependências que fazem viver “fechados e na indiferença”. “Se nos gastarmos pelos outros, tornamo-nos livres”, disse Francisco frisando que “o Senhor da vida nos quer cheios de vida e dá-nos o segredo da vida: só a possuímos, se a dermos”. E estas são opções que devemos tomar todos os dias no nosso coração para escolher não aquilo que apetece, mas aquilo que faz bem:

A opção diária situa-se aqui: escolher entre o que me apetece fazer e o que me faz bem. Desta busca interior podem nascer escolhas banais ou escolhas de vida. Depende de nós. Olhemos para Jesus, peçamos-Lhe a coragem de escolher o que nos faz bem, de caminhar atrás d’Ele pela via do amor e encontrar a alegria”, afirmou o Papa na conclusão da sua homilia.

No momento da passagem dos símbolos das Jornadas Mundiais da Juventude dos jovens panamianos para os jovens portugueses, o Santo Padre anunciou que o Dia Mundial da Juventude, celebrado anualmente em cada diocese, passa a ser na Solenidade de Cristo Rei. Deixa, assim, de ser celebrado no Domingo de Ramos.

Emoção e responsabilidade

Era grande a emoção e a alegria dos jovens portugueses que viveram este momento de início do caminho de preparação para a Jornada Mundial da Juventude de 2023. Estiveram presentes jovens das dioceses de Viana do Castelo, Funchal, Beja, Bragança-Miranda, Portalegre, Vila Real, Coimbra, Porto, Lisboa, Lamego, Braga e ainda a Diocese das Forças Armadas e de Segurança.

Jovens que participaram ativamente na Eucaristia. A Eliana Loureiro, da diocese de Lamego, leu a segunda leitura e a Rita Marques, da diocese de Coimbra, leu algumas intenções da Oração Universal. No momento da entrega dos símbolos foram três os jovens portugueses que levaram a cruz: Fernando Vieira, da diocese de Braga, Guilhermino Sarmento, da diocese de Lisboa e o João Amaral, da diocese das Forças Armadas e de Segurança.

Receberam o ícone mariano duas raparigas: Daniela Calças, da diocese de Lisboa, e Tatiana Severino, da diocese do Porto. Esta última revelou ao jornal Voz Portucalense toda a sua emoção no momento em que partia para Roma. Tem 26 anos e pertence ao Secretariado Diocesano da Pastoral Juvenil do Porto:

“Parto neste preciso momento para Roma para ir buscar os símbolos das Jornadas Mundiais da Juventude na comitiva de Portugal. Sinto-me feliz por ter sido escolhida para representar a juventude do Porto, mas também com a responsabilidade que tal escolha me dá. Porque sinto que levo no coração cada um dos jovens da diocese, com a alegria e a força que tão bem caracteriza a nossa juventude. Está-me muito presente a oração que o Papa Francisco fez em frente a uma Cruz e a um Ícone pedindo o fim da pandemia. Penso que a juventude portuguesa pode seguir o exemplo e à semelhança do Santo Padre incorporar nas suas orações a Cruz e o Ícone. Com os símbolos em Portugal vamos sentir mais a presença da Mãe, do abraço, do aconchego, do dizer sim e toda a força necessária para organizar a Jornada que temos pela frente, com o desafio acrescido que a pandemia nos trouxe. Nunca esquecendo a Cruz de todos os dias que é o próprio Cristo.”

A delegação portuguesa presente no Vaticano foi chefiada pelo cardeal-patriarca de Lisboa, dom Manuel Clemente, acompanhado pelos coordenadores da JMJ e bispos auxiliares de Lisboa, dom Américo Aguiar e dom Joaquim Mendes. O diretor da Fundação JMJ 2023, dom Américo Aguiar, falou à reportagem do Vatican News:

“Como se diz no futebol, é o pontapé de saída que há muito aguardávamos, porque esta celebração estava prevista para o Domingo de Ramos, e com muita tristeza nossa, por razões da pandemia, não foi possível concretizar. E daí que ansiávamos muito este momento da passagem dos símbolos, de uma maneira formal, com a bênção do Santo Padre e com a força do Espírito para podermos então iniciar a preparação da Jornada Mundial da Juventude, com fé, com esperança, com caridade, com coragem, muita coragem, no meio desta pandemia, para toda a humanidade. E também esperamos trazer para Lisboa e para a juventude mundial essa mesma coragem para lutarmos e vencermos esta pandemia.”

Missão solidária em Advento de pandemia

E para lutar e vencer a pandemia, a Organização da JMJ 2023 lançou em Portugal uma missão solidária para preparar o Natal, vivendo o Advento em tempo de pandemia. Um grande movimento nacional pretende levar esperança e alegria a todo o país nos próximos dias 28 e 29 de novembro. “Telefona a alguém que está sozinho, marca uma conversa digital com um familiar mais distante, ajuda uma família em dificuldades, colabora com uma instituição de solidariedade local, realiza uma tarefa na tua paróquia” – eis algumas das possibilidades de atividades que os jovens em Portugal são convidados a realizar neste Advento em tempo de pandemia.

A Organização da JMJ 2023 desafia os jovens a gerarem um “grande movimento de esperança” e a partilharem uma fotografia da sua missão solidária.

Laudetur Iesus Christus

24 novembro 2020, 12:42