Busca

Vatican News
Uma família do México rezando com o Papa através dos veículos de comunicação Uma família do México rezando com o Papa através dos veículos de comunicação  (AFP or licensors)

A beleza do intercâmbio internacional para renovar a pastoral familiar

O fórum on-line com responsáveis da pastoral familiar de todo o mundo foi aberto nesta quarta-feira (9) com uma mensagem em vídeo do Papa Francisco e a participação do prefeito do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida, o cardeal Kevin Farrell: "um sinal concreto do nosso compromisso, como Igreja, para colocar a família no centro e nos colocarmos a seu serviço, trabalhar por ela e com ela, contando com o seu enorme potencial”.

Andressa Collet - Vatican News

Ouça a reportagem e compartilhe

O Fórum "Em que ponto estamos com a Amoris laetitia?” começou nesta quarta-feira (9) e com a participação especial de uma mensagem em vídeo do Papa Francisco que falou da importância da Igreja em se abrir à participação dos leigos, ajudando-os na formação, como uma das estratégias para colocar em prática a exortação apostólica sobre a família e a maternidade. O evento internacional, que acontece em modalidade on-line até sábado (12), inclusive com a participação de brasileiros, visa refletir sobre o presente e o futuro da pastoral familiar, a fim de torná-la mais concreta e mais próxima dos lares do mundo inteiro.

Card. Farrell: renovar a pastoral familiar

Antes do vídeo do Papa, o cardeal Kevin Farrell, prefeito do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida – que organiza o encontro virtual –lembrou de algumas indicações que o Papa Francisco já havia dado em ocasiões anteriores, em especial, aquele de ler toda a Amoris laetitia, como um todo, e de forma transversal, do primeiro ao último capítulo. Além disso, o prefeito também recordou que o Pontífice, "desde o início dp seu pontificado, não se cansa de estimular a Igreja para uma renovação geral da pastoral, que leve em conta algumas notas fundamentais: o caráter missionário; o maior envolvimento dos leigos; o estilo sinodal; o caráter popular e não elitista; a lógica de acolher e de acompanhar cada pessoa individualmente".

Especificamente sobre o fórum internacional, o cardeal desejou aos participantes que estes dias de trabalho pudessem ser "um sinal concreto do nosso compromisso, como Igreja, para colocar a família no centro e nos colocarmos a seu serviço, trabalhar por ela e com ela, contando com o seu enorme potencial, na certeza de que ‘a Igreja é um bem para a família, a família é um bem para a Igreja’ (AL 87)".

Pe. Alexandre Awi: aplicação da exortação no mundo

Já o secretário do Dicastério, Pe. Alexandre Awi Mello, primeiro apresentou uma análise detalhada da disseminação da exortação apostólica em todo o mundo. Partindo do questionamento sugerido no título do fórum, "Em que ponto estamos com a Amoris laetitia?", e graças às informações coletadas nos últimos 5 anos, com uma comparação permanente com as Conferências Episcopais, o brasileiro falou sobre o acolhimento inicial da exortação do Papa Francisco no mundo e do seu impacto na pastoral familiar.

Em segundo lugar, o Pe. Alexandre salientou que em alguns países foi inclusive realizada uma revisão da pastoral familiar local justamente à luz de Amoris laetitia. É o caso dos Estados Unidos, Bolívia, Nigéria, Itália e Costa Rica. Em outros países, porém, foi iniciado um trabalho transversal com outros serviços pastorais como os da juventude, da pastoral vocacional ou da catequese. Em terceiro lugar, ele destacou algumas novas iniciativas que surgiram graças à exortação apostólica e à renovação do ministério pastoral que ela gerou. O brasileiro não deixou de mencionar as muitas dificuldades que, no entanto, existiram para colocar Amoris laetitia em prática. Finalmente, o Pe. Alexandre relatou o feedback recebido por parte de alguns países sobre as necessidades sentidas na melhor aplicação da exortação e as dificuldades que surgiram no período de pandemia.

Matrimônio: preparação e acompanhamento dos casais

Após uma rodada de perguntas e respostas dos participantes e um breve intervalo, o trabalho começou com a primeira das seis sessões que constituem as linhas programáticas do fórum. A subsecretária do Dicastério, Gabriella Gambino, tratou sobre o tema "O catecumenato no matrimônio" já que esse é, de fato, um dos pontos que o Papa Francisco indicou repetidamente às Igrejas locais como sendo necessário, insistindo na adequação de um itinerário amplo, inspirado no catecumenato batismal, que permita aos noivos de viver mais conscientemente o sacramento do matrimônio.

A proposta do Dicastério na esteira dos desejos do Pontífice parte de uma fase pré-catecumenal, que coincida na prática com o longo tempo da "preparação remota" para o matrimônio, que começa na infância e continua na juventude. A fase propriamente catecumenal é composta por três etapas distintas: a preparação próxima, a preparação imediata e o acompanhamento dos primeiros anos de vida matrimonial. O núcleo de todo o itinerário deveria ser a redescoberta da fé, a conversão e o discernimento pessoal e de casal.

A subsecretária sublinhou várias vezes a importância da formação "daqueles que acompanham - casais, sacerdotes e, em geral, agentes de pastoral - para que tenham uma formação e um estilo de acompanhamento adequados ao percurso catecumenal. Não se trata tanto de transmitir noções ou adquirir habilidades, mas sim de orientar, ajudar e estar perto dos casais ao longo de um caminho a ser seguido juntos”.

Projeto da Espanha: preparação ao matrimônio

A última intervenção do primeiro dia foi o testemunho direto da Espanha. Francisco Albalá e Toñi Caro apresentaram o projeto "Juntos en camino +Q2", que nasceu após a publicação de Amoris laetitia, que proporciona um percurso de preparação ao casamento bastante longo no tempo (dois anos), com um acompanhamento profundo dos noivos, no qual eles mesmos se tornam os protagonistas do processo. Este projeto está resumido na sigla ADI: Acompanhamento e Acolhimento; Discernimento e Divertimento; Integração e Inovação.

O primeiro dia terminou com um diálogo entre os participantes, destacando a beleza de um encontro internacional que, embora seja on-line, oferece uma possibilidade concreta de se encontrar e se discutir juntos a exortação apostólica de forma franca e livre. Através da chat aberta aos participantes, surgiu a necessidade de se criar um espaço de diálogo entre os agentes de pastoral familiar. Os participantes expressaram o desejo de se trocar - para inspiração mútua - as muitas boas práticas já existentes e planejadas para a implementação pastoral de Amoris laetitia neste ano dedicado à família.

10 junho 2021, 09:47