Busca

Vatican News
Cardeal Leonardo Sandri na Ordenação Episcopal do Arcebispo de Teerã Dominique Mathieu   Cardeal Leonardo Sandri na Ordenação Episcopal do Arcebispo de Teerã Dominique Mathieu  

Novo arcebispo de Teerã: oferecer a luz suave do Evangelho

O Prefeito da Congregação para as Igrejas Orientais, cardeal Leonardo Sandri presidiu a ordenação episcopal do franciscano Dom Dominique Mathieu, Arcebispo de Teerã-Ispahah dos Latinos. A esperança expressa era que "um filho de São Francisco" pudesse continuar "o estilo de presença" indicado pelo Pobrezinho de Assis

Vatican News

Na terça-feira (16) o Prefeito da Congregação para as Igrejas Orientais, cardeal Leonardo Sandri presidiu a ordenação episcopal do franciscano Dom Dominique Mathieu, que será o novo Arcebispo de Teerã-Ispahah dos Latinos, nomeado em 8 de janeiro último. Na sua homilia o cardeal recordou como modelo a figura de São Francisco e a sua experiência de estar totalmente configurado ao Cristo Crucificado. A cerimônia foi realizada na Basílica Romana dos Doze Santos Apóstolos e na data de 16 de fevereiro, o dia em que o martirológio romano comemora Santa Maruta, padroeira do Irã. "Em seu desejo de ir como peregrino aos lugares de nossa salvação, na chamada Província Além-Mar - explica o cardeal Sandri - Francisco encontrou-se com o Sultão Al-Malik Al-Kamel". Aquele encontro "não mudou o destino em campo, mas teve uma força muito mais perturbadora: semear o Evangelho, fazê-lo brotar e dar frutos". Mais de 800 anos depois desse momento, recorda o cardeal, o Papa envia agora como novo arcebispo de Teerã-Ispahan precisamente "um filho de São Francisco", na esperança de que ele possa continuar "o estilo de presença" indicado pelo Pobrezinho de Assis.... "Fala com a vida antes das palavras, e vive em submissão a toda criatura". Em Damietta", continua o Cardeal Sandri a Dom Mathieu, "Francisco não tinha medo de Maomé, e o Sultão não tinha medo do Evangelho, um e o outro colocaram-se na escuta. Então tu também podes fazer isso".

A luz do Evangelho não ofusca, mas guia

O Cardeal então se detém na comunidade católica do Irã: ele a descreve como "talvez pequena em número e diversificada em tradição ritual", já que ao lado dos latinos há armênios e caldeus, assim como "os irmãos das outras denominações cristãs". A tarefa do novo arcebispo será, portanto, a de "oferecer a luz do Evangelho", uma luz da qual "ninguém deve ter medo", pois "não é um brilho deslumbrante que destrói como um relâmpago, mas é antes de tudo a luz suave invocada pelo Santo Cardeal Newman que sabe brilhar e nos guiar para casa precisamente quando a escuridão pode parecer mais espessa e impenetrável". Aquela mesma luz, evidencia o cardeal, ajudou Dom Mathieu a não desanimar diante da Covid-19, da qual foi infectado há alguns meses, e saiu curado.

No brasão episcopal a estrela persa

O Cardeal Sandri assinala, além disso, que o novo Arcebispo, partindo para a "antiga e nobre terra persa", segue de fato "o caminho inverso dos Magos que partiram daquelas áreas seguindo as estrelas e buscando o Salvador": daí a exortação do Cardeal ao novo prelado para "continuar a perscrutar os sinais que Deus ainda envia para os que não cessam de procurá-Lo". Por outro lado, Dom Mathieu escolheu colocar em seu brasão episcopal precisamente "a estrela persa", ou seja, uma estrela de oito pontas amarela dourada, formada por dois quadrados. Ela simboliza a estrela que os Magos seguiram para encontrar Cristo e também representa o quadrado, uma forma geométrica típica da área iraniana, símbolo do universo criado e da justiça. Mas a estrela também lembra a Virgem Maria: invocada com o antigo título de "Stella Maris", ela é um sinal de esperança e estrela polar para os cristãos. Enquanto que o lema episcopal escolhido pelo novo arcebispo recita "Deus meus in te confido".

17 fevereiro 2021, 14:55