Busca

Vatican News
Cardeal Sandri Cardeal Sandri 

Síria e Iraque, cardeal Sandri: dar aos jovens um futuro

Os desejos para a visita que o Papa se prepara para fazer ao Iraque, e a esperança de que o mosaico de riquezas humanas e históricas do Oriente Médio Oriente possa ser reconstituído. É isto que o Prefeito da Congregação para as Igrejas Orientais exprime pensando nos cristãos e nos povos de terras como a Síria e o Iraque que mais de uma vez vêem as suas culturas enterradas pelas consequências de décadas de conflito.

Alessandro Di Bussolo e Antonella Palermo – Vatican News

Encontrar-se na modalidade online para fazer o balanço da situação muito problemática vivida por vários países do Oriente Médio, ainda à mercê de guerras e fugas forçadas, é uma das peças que vão compor o caminho de aproximação à viagem apostólica do Papa Francisco ao Iraque em março próximo. O cardeal Leonardo Sandri, Prefeito da Congregação para as Igrejas Orientais, explica as razões do que já promete ser um ato histórico, altamente corajoso, precursor de caminhos de diálogo e reconciliação, e sublinha o seu significado em particular para aqueles que pagaram um alto preço, também em vidas humanas:

Ouça e compartilhe

R. - Na sexta-feira passada, o pregador da Casa Pontifícia, na sua pregação de Advento, recordou-nos as palavras do profeta Isaías: consola, consola o meu povo. Para mim esta visita do Papa significa um enorme gesto de consolo para todos estes países e povos que sofreram - Iraque, em particular – a guerra, a perseguição e a emigração, tendo de deixar tudo para trás, especialmente a população cristã, mas também as de todas as religiões e de todas as confissões. As vítimas têm o denominador comum dos filhos de Deus que foram injustamente e cruelmente reprimidos. Este é verdadeiramente um gesto extraordinário do Papa que há tanto tempo queria fazer isto. Lembro-me que na reunião da Roaco (Reunião Obras Ajuda Igreja Orientais, ndr) em 2019, o Papa disse: 'Quero ir ao Iraque'. E já naquela ocasião todas as esperanças foram abertas para esta visita, o que traz consolo, estímulo, encorajamento para os Pastores da Igreja. Devemos curvar-nos perante os Pastores que ali permaneceram apesar de todas as dificuldades, apesar de todas as ameaças, dos ataques. Eles permaneceram ali, foram o exemplo do bom Pastor que não foge. Para todos os sacerdotes, os religiosos, neste país tão rico em história, começando por Abraão, da Igreja assíria. Isto tem demonstrado firmeza na fé e na tribulação. Portanto, será um gesto de grande consolo e força que se estenderá a toda a realidade social, civil e política deste país, porque o consolo que Jesus Cristo traz, que o Papa traz é para todos e especialmente para aqueles que sofrem. Será uma espécie de toque de sino para todo o Oriente Médio, depois de tantas tribulações que ainda existem na Síria, no Líbano. O Papa irá encorajá-los a serem, neste contexto, homens de comunhão e testemunhas do amor de Deus.

O senhor visitou o Iraque várias vezes. Como será acolhido o Papa Francisco, também pelos muçulmanos?

R. - Penso que bem - e não só por causa da pessoa do Papa Francisco, o homem desarmado que só tem as armas do encontro, do sorriso, de ir ao encontro daqueles que mais precisam - porque o Papa se apresenta com uma carteria de identidade muito importante: a Fratelli tutti e a Declaração de Abu Dhabi sobre a fraternidade humana. Como podemos querer construir um novo mundo de justiça, paz, liberdade, respeito pelos direitos humanos e liberdade religiosa, se não nos consideramos irmãos, independentemente da identidade religiosa que deve ser mantida com todo o empenho? Quando estive no Iraque em 2019 com todos os nossos delegados Roaco para ver as necessidades no terreno, pude apreciar com que dignidade, respeito e amor o governo iraquiano, mas também as autoridades do Curdistão e todos os líderes muçulmanos nos receberam. Basta pensar, a primeira vez que fui ao Iraque, quando cheguei a Kirquq – havia ainda muitos ataques - o patriarca Sako, que era então bispo, a primeira coisa que ele me fazer foi visitar uma mesquita. Fui recebido por imãs xiitas e sunitas, e eu tive de fazer um discurso. Não tenho dúvidas de que o corpo social do Iraque em todas as suas componentes, receberá o Papa com entusiasmo.

No seu discurso na reunião sobre a emergência humanitária na região, realizada no Vaticano em 10 de dezembro último, o senhor recordou que a ferida da emigração afeta sobretudo os jovens. O que pode ser feito para deter esta hemorragia?

R. - Foi dito muito claramente: é inútil para nós vivermos com estas sanções. Não se podem construir casas novas. Como podem os jovens encontrar ali a segurança para o futuro, para os seus estudos, para a formação de uma família? Dar aos jovens um futuro. A Igreja o dá do ponto de vista da luz que é Jesus Cristo, mas deve haver instâncias, nacionais e internacionais, que favoreçam a permanência. Existem profissionais maravilhosos em todas as áreas da ciência e da cultura.

O senhor acredita que, uma vez que consigam regressar, os católicos poderão contribuir para o renascimento dos seus países? Será dada a eles a oportunidade de o fazerem, em coexistência pacífica com os muçulmanos e outras religiões?

R. - Espero e desejo que assim seja. Os cristãos que querem regressar devem encontrar todas as condições de segurança para uma vida digna. Eles, que talvez tenham se estabelecido através de outros membros da família que emigraram para o ocidente, digam "vamos voltar". Mas é evidente que as maiores dificuldades são para aqueles que regressam, não para aqueles que partem. Aqueles que regressam, o fazem voluntariamente. Não seria um país de prosperidade se eles não pudessem participar na vida política. É por isso que insistimos tanto na Congregação que devemos dar a muitos jovens a possibilidade de serem formados também na Doutrina Social da Igreja. Os leigos devem construir o seu próprio país, a sua pátria, e não apenas receber indicações dos seus líderes. É você, cristão, que contribui, através dos princípios do Evangelho, para a construção desta sociedade que todos queremos inspirada por Jesus, pela Fratelli tutti e pela dignidade do homem e da mulher, para que possa viver de acordo com as suas próprias crenças e fé. 

14 dezembro 2020, 10:25