Busca

Vatican News
Reservatório de biodiversidade, oeste da França Reservatório de biodiversidade, oeste da França  (AFP or licensors)

Turkson: precisamos fazer mais pelos pobres e por nossa terra

A pandemia que estamos enfrentando “não pode ser uma desculpa para a inação, mas deve ser vista como uma oportunidade para reconstruir melhor”. É o que escreve o prefeito do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, cardeal Peter Turkson, numa mensagem por ocasião da “High Level Virtual Climate Ambition Summit”, realizada no quinto aniversário do Acordo de Paris.

Adriana Masotti/Mariangela Jaguraba – Vatican News

“Devemos aumentar as nossas ambições em todos os níveis.”: Este é o título da mensagem enviada pelo prefeito do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, cardeal Peter Turkson, para a “High Level Virtual Climate Ambition Summit” (Cúpula Virtual de Alto Nível sobre Ambição Climática), encontro virtual sobre o clima organizado pelas Nações Unidas, no último sábado (12/12), e promovido pelo Reino Unido e pela França, em colaboração com o Chile e a Itália, para celebrar o quinto aniversário da adoção do Acordo de Paris. Um título que em poucas palavras resume a necessidade, expressa pelo cardeal, de um compromisso mais incisivo da Comunidade internacional porque, segundo a Laudato si', o “grito da terra e dos pobres” está ficando mais forte e urgente. Somente “uma cultura renovada de cuidado e uma visão econômica que busca o bem comum”, escreve o purpurado na mensagem, “baseada na solidariedade e no cuidado com a criação, participação, igualdade e justiça, pode promover uma mudança transformadora e tirar a humanidade desta crise”.

Ouça e compartilhe

Necessárias ações e objetivos concretos e de curto prazo

“O Acordo de Paris assinado por 196 países não será suficiente se não houver uma transformação radical da política, mas também do nosso coração e da nossa maneira de estarmos juntos na Terra”, diz o cardeal Turkson. O prefeito do dicastério vaticano pede ações concretas para reduzir drasticamente as emissões de gases de efeito estufa até 2030. Metas a longo prazo, na verdade, não serão suficientes se quisermos salvaguardar o limite crucial de 1,5°C. O cardeal Turkson olha de modo particular para a Europa e sua responsabilidade de garantir “uma parte justa dos esforços globais necessários” para responder adequadamente aos desafios indicados pela ciência e às exigências dos que sofrem e dos jovens.

Aos líderes: o que vocês pretendem fazer pelo planeta?

O cardeal faz então um apelo a todos os líderes políticos: “Como pretendem fazer bom uso da imaginação, fantasia e da verdadeira vocação do chamado que receberam? Deus nos confiou este planeta e seus gloriosos recursos. Quando pensarem na NDC (National Determined Contribution/Contribuição Nacional Determinada), não pensarem nela como se fosse sua, mas como vocês estão garantindo a proteção dos bens comuns para todos, o que deveria colocar no centro os mais pobres e  vulneráveis”.

Parar de investir em energia fóssil

Cruciais são as decisões dos governos sobre o uso de seus recursos financeiros, que, segundo o purpurado, devem levar em conta os pobres e as gerações futuras. “Por que os países do G20 dão 50% a mais dos fundos da Covid19 para a recuperação de combustíveis fósseis do que para energia limpa?”, escreve o prefeito do dicastério vaticano. “Os governos devem parar de investir em combustíveis fósseis. As comunidades pobres precisam de energia verde moderna e sustentável”, frisa ele.

“Sonhamos como uma só humanidade, como viajantes feitos da mesma carne humana, como filhos desta mesma terra que nos acolhe a todos, cada um com a riqueza da sua fé ou convicções, cada um com a sua própria voz, todos irmãos! (Papa Francisco em Todos os Irmãos)”

Os pobres e o meio ambiente no centro das políticas

O cardeal Turkson observa com amargura que nem mesmo as promessas de apoio financeiro ao desenvolvimento dos países mais pobres “corresponderam às expectativas”, e a situação de muitos países estrangulados pela dívida “ameaça piorar mais uma vez”. “Não há sustentabilidade sem equidade”, conclui o cardeal Turkson em sua mensagem, recordando que “os mais pobres entre nós devem ser colocados no centro” das políticas e programas, e que também por causa da pandemia, devemos ter em mente cada vez mais que “somos uma família humana, e que só podemos contar um com o outro para cuidar da nossa casa “Comum”.

14 dezembro 2020, 11:07