Busca

Vatican News
Felicitações ao Papa Felicitações ao Papa  (Vatican Media)

Cardeal Re: nesta pandemia as palavras do Papa têm sido um farol de esperança

O ano que está chegado ao fim – disse o cardeal Re - ficará na história pelo drama causado em todo o mundo por um pequeno vírus, mas também ficará na nossa memória com a imagem do Papa que sozinho, no evocativo e majestoso mas vazio cenário da Praça São Pedro, rezou e falou ao mundo durante as celebrações litúrgicas da Semana Santa.

Silvonei José – Vatican News

No encontro do Santo Padre com os membros da Cúria Romana na manhã desta segunda-feira, 21 de dezembro, para a apresentação dos votos natalícios na Sala das Bênçãos tomou a palavra em nome de todos os presentes para saudar o Pontífice, o decano do Colégio Cardinalício, o cardeal Re. Presentes membros do Colégio dos Cardeais, a Família da Cúria Romana e do Governatorato do Estado da Cidade do Vaticano.

No seu discurso, o cardeal Re disse que a atmosfera de serenidade, alegria e de festa que todos os anos caracteriza a celebração do evento mais alto da história, o do Filho de Deus que se fez homem, este ano é perturbado pela dramática situação criada pela pandemia da Covid-19. Isto leva-nos a nos reunir ainda mais em torno a Vossa Santidade, - continuou o cardeal - em comunhão de fé, de pensamento e de compromisso de serviço para o bem da Igreja e da humanidade.  O Menino que vem até nós no Natal continua a ser a nossa grande esperança também para os graves problemas que temos de enfrentar nesta época difícil e conturbada.

O ano que está chegado ao fim – salientou dom Re - ficará na história pelo drama causado em todo o mundo por um pequeno vírus, mas também ficará na nossa memória com a imagem do Papa que sozinho, no evocativo e majestoso mas vazio cenário da Praça São Pedro, rezou e falou ao mundo durante as celebrações litúrgicas da Semana Santa.  Permanecerão vivas nas mentes e nos corações os discursos das quartas-feiras, os Angelus dominicais e as muitas iniciativas do Papa, que foram de apoio, conforto e encorajamento neste ano de sofrimento e dificuldades, no qual a pobreza de muitos tem aumentado, mas a generosidade e solidariedade de muitos também tem crescido. Neste tempo de dura provação para toda a família humana, houve expressões de solidariedade nunca antes vistas.

O cardeal real afirmou que “a Igreja se confirmou próxima à gente, com particular atenção aos sofredores, aos pobres, aos marginalizados, às pessoas sozinhas, e de uma forma especial às pessoas afetadas pelo coronavírus. Muitos sacerdotes foram admiráveis e, na sua generosidade pastoral, também assumiram riscos”.

A pandemia, porém, não abrandou a intensa atividade do Papa, - recordou ele -, cujas palavras têm sido um farol de luz, de conforto e de esperança; nem impediu a realização de grandes iniciativas em nível mundial como o "Pacto Educativo Global " e encontro em Assis dos jovens para "A Economia segundo Francisco", embora no modo online.

Dom Re enfatizou que um dos eventos de maior ressonância foi certamente o presente da terceira Encíclica de Francisco, "Fratelli tutti", assinada em Assis, diante do Túmulo de S. Francisco, um lugar de grande significado simbólico. O documento teve imediatamente ampla divulgação e acolhida, com a sua mensagem de fraternidade e amizade social que não exclui ninguém e com o seu convite a cuidar uns dos outros e a promover uma sociedade fundada em relações de fraternidade.

Esta importante Encíclica lembrou-nos que os problemas só podem ser resolvidos trabalhando em conjunto com outros, e destacou o fato de que o amor social é uma força capaz de inspirar novos caminhos para superar as dificuldades.

Para o centenário do nascimento do Papa São João Paulo II, que ocorreu no último dia 20 de maio, - lembrou o decano do Colégio Cardinalício - o Papa Francisco tinha planejado uma solene Concelebração Eucarística na Praça São Pedro, com a presença também de uma grande peregrinação da Polônia, mas a situação de emergência criada pelo coronavírus só permitiu ao Santo Padre celebrar a Missa naquela manhã no altar do seu túmulo na Basílica do Vaticano, explicando na sua homilia que o seu predecessor foi um modelo de Bispo que reza, e de Pastor próximo do povo, um vigoroso promotor de justiça no mundo e um fervoroso apóstolo da Divina Misericórdia.

Confiando na especial proteção de São José no ano a ele dedicado, a Igreja vive e avança no cumprimento da sua missão para o bem da humanidade, - disse ainda o cardeal Re - seguindo a orientação de Francisco, “a quem todos renovamos a expressão da nossa fidelidade, o nosso apoio pleno e solidário e as nossas orações diárias”.

21 dezembro 2020, 13:46