Busca

Vatican News
Coronavius Coronavius 

Covid, o amanhã sustentável é possível se mudarmos o modo de governar hoje

O Papa Francisco está certo disso e repete-o a todos: da pandemia se sai melhores ou piores. A crise global exige que se repensem os parâmetros da convivência humana em chave solidária. Sobre esta ideia baseia-se o Projeto "Covid 19 Construir um Futuro Melhor", criado em colaboração com o Dicastério para a Comunicação e o Dicastério para o Desenvolvimento Humano Integral: oferecer um caminho que com o fim da pandemia leve ao início de uma nova fraternidade.

Vatican News

É uma questão de perspectiva. O mundo em quarentena pelo coronavírus, suspenso na evolução das suas atividades, quer recuperar o seu sentido de orientação, mas deve ter o cuidado de tomar o caminho certo. Acima de tudo, deve ter o cuidado de não cometer erros que já foram cometidos. Antes de mais nada, pensar que a saúde vem do crescimento econômico. "O crescimento é o objetivo errado. O que devemos visar é o desenvolvimento humano - desenvolvimento humano sustentável", diz Janet Ranganathan, vice-presidente do "Research, Data, and Innovation of World Resource Institute", um dos peritos convocados pelo Papa Francisco na Comissão Covid-19 do Vaticano. Ranganathan lança uma ideia. "Um primeiro passo concreto - propõe - poderia ser a convocação pelo Papa Francisco de um encontro com outros líderes religiosos para criar um 'Círculo virtuoso de sustentabilidade' que continue a expandir-se para envolver todo o planeta. A fim de evitar que a conta salgada do vírus seja paga acima de tudo pelos pobres.

Ouça e compartilhe

A senhora é membro da Comissão do Vaticano COVID 19, o mecanismo de resposta criado pelo Papa Francisco para lidar com uma pandemia sem precedentes. O que espera aprender pessoalmente com esta experiência? Como irá a sociedade no seu conjunto inspirar-se no trabalho da Comissão?

R. - Espero aprender mais sobre o papel que a Igreja desempenha na abordagem de crises globais. As mesmas causas subjacentes desempenharam provavelmente um papel em crises anteriores documentadas, por exemplo, já na Bíblia: "líderes" representando apenas os poucos privilegiados, consumo excessivo de recursos naturais, preocupação com o hoje à custa do amanhã, falta de transparência e responsabilidade, e incapacidade de avaliar como os efeitos dos problemas e respostas se reflectem depois no tempo e num sistema calibrado de quem recebe os benefícios e quem paga os custos. A Comissão inspirará outros (e a nós próprios!) se colaborarmos genuinamente na criação/experimentação de abordagens que resolvam as causas profundas das alterações climáticas, insegurança alimentar e hídrica, doenças e desigualdade maciça. O imperativo de colaborar nunca foi tão grande.

O Papa Francisco pediu à Comissão COVID 19 de preparar o futuro em vez de se preparar para o futuro. Neste empreendimento, qual deve ser o papel da Igreja Católica como instituição?

R. - O Papa Francisco deveria unir as suas forças com outros líderes religiosos para criar um movimento global e local que peça, vote a favor e conduza o discurso sobre a preparação para um futuro sustentável. A Comissão pode fornecer as motivações, as etapas fundamentais e orientações para apoiar este movimento. O tempo é essencial. 

Que lições pessoais (se as houver) aprendeu com a experiência desta pandemia? Que mudanças concretas espera ver depois desta crise, tanto em nível pessoal como global?

R. - A pandemia realça o risco de interligação ambiental, social e económica a nível global. Cada crise global (alterações climáticas, pandemias, insegurança alimentar e hídrica, recessões, migrações) exacerba os problemas e vulnerabilidades existentes, especialmente para os pobres. Pessoalmente, tive a sensação de que a pandemia criou um fosso ainda maior entre eu e a minha família "global". Após o fim desta crise, espero que a desigualdade ascenda ao topo das agendas políticas em todo o mundo e se torne também uma prioridade máxima para a minha organização. As alterações climáticas e a desigualdade têm causas semelhantes. Devem ser abordados em conjunto.

Não sabemos ao certo a origem do coronavírus, mas sabemos que danos pode e está causando. Pode haver uma ligação entre a pandemia de Sars-cov-2 e as alterações climáticas? Poderá o vírus ser um sinal da nossa ação retardada?

R. - É demasiado cedo para fazer declarações oficiais sobre a origem da pandemia de Covid. É provável que seja de origem zoonótica. As doenças zoonóticas e as alterações climáticas têm um motor comum: a conversão dos ecossistemas naturais. A perda de habitats naturais leva a uma forte aproximação entre os animais selvagens e os seres humanos. A mudança do solo, em particular a desflorestação, é um dos principais fatores que contribuem para as alterações climáticas (produzindo cerca de 11% dos gases com efeito de estufa em nível mundial). As alterações climáticas, por sua vez, afetam a propagação de doenças, alterando a dinâmica reservatório-vector e criando novos nichos ecológicos para as doenças e os seus vetores. Os governos podem abordar conjuntamente as causas comuns que estão na origem das pandemias zoonóticas e das alterações climáticas e dar prioridade aos esforços para "descarbonizar" as suas economias em pacotes de recuperação econômica.

Então, se a comunidade internacional assumir um compromisso decisivo contra a emergência climática, isto poderá arrastar a economia mundial para o crescimento?

R. - O crescimento é o alvo errado. O que devemos visar é o desenvolvimento humano - o desenvolvimento humano sustentável. Isto é o que os objetivos de desenvolvimento sustentável das Nações Unidas exigem. Demasiados governos perseguiram o crescimento econômico, permitindo que este se tornasse o "fim" em vez de o "meio". Isto contribuiu para as crescentes desigualdades e degradação da base de recursos naturais que sustenta a vida na terra. Uma ação eficaz contra as alterações climáticas deve ser parte integrante dos esforços de ligação das economias para alcançar o desenvolvimento sustentável. Isto requer uma mudança de enfoque para abordar as causas profundas da desigualdade e degradação ambiental, tais como interesses especiais, consumo excessivo, falta de transparência e responsabilidade e assim por diante, como disse anteriormente.

24 outubro 2020, 12:20