Busca

Vatican News
Em primeiro plano, cúpula da igreja assíria em Belém Em primeiro plano, cúpula da igreja assíria em Belém  

Livro "A questão Caldeia e Assíria 1908-1938" será apresentado em novembro

Os quatro volumes de “A Questão Caldeia e Assíria”, organizados pelo padre Georges-Henri Ruyssen SJ, decano da Faculdade de Direito Canônico Oriental do Pontifício Instituto Oriental e diretor da coleção "Kanonika", tornam acessíveis documentos inéditos dos Arquivos Vaticanos sobre a perseguição aos cristãos caldeus e assírios no Oriente Médio.

O livro do padre Georges-H. Ruyssen SJ  "A questão Caldeia e Assíria , 1908-1938. Documentos do Arquivo Secreto do Vaticano (ASV) do Arquivo da Congregação para as Igrejas Orientais (ACO) e do Arquivo Histórico da Secretaria de Estado, Seções para as Relações com os Estados (SS.RR.SS.)",  será apresentado no sábado 9 de novembro, às 16:30, na Aula Magna do Pontifício Instituto Oriental pelos professores Andrea Riccardi e Joseph Yacoub, por Dom Noël Farman, representando o Patriarca Louis Raphaël I Sako e pelo cardeal Leonardo Sandri, Prefeito da Congregação para as Igrejas Orientais e Grande Chanceler do Pontifício Instituto Oriental.

Os quatro volumes de “A Questão Caldeia e Assíria”, organizados pelo padre Georges-Henri Ruyssen SJ, decano da Faculdade de Direito Canônico Oriental do Pontifício Instituto Oriental e diretor da coleção "Kanonika", tornam acessíveis documentos inéditos dos Arquivos Vaticanos sobre a perseguição dos cristãos caldeus e assírios no Oriente Médio.

Trata-se de documentos elaborados pelas autoridades eclesiásticas sobre o destino dessas comunidades durante a primeira parte do século XX, no contexto de acontecimentos que envolvem o Império Otomano, a Pérsia, bem como países como a Turquia, Síria, Iraque e Irã, constituídos logo após o final da I Guerra Mundial.

Massacre também de cristãos

 

Em 2015, o Prof. Riccardi em seu pronunciamento "Seyfo: Uma história cristã esquecida" - conferência realizada na sala de convenções da Comunidade Santo Egídio em 19 e 20 de Junho de 2015 para recordar os 100 anos do massacre de cristãos no Império Otomano, havia se expressado desta forma: “Estamos aqui para recordar o massacre dos cristãos no Império Otomano, ocorrido há cem anos. Sobretudo o capítulo mais esquecido da história: Seyfo (em siríaco, a Espada), o massacre dos siríacos, ortodoxos e católicos, dos caldeus e dos assírios. Não é um detalhe, mas uma realidade histórica que pode ser chamada de um massacre de cristãos, e não apenas dos armênios (um fato por si só muito dramático). O equívoco ocorreu desde o início: esquecer os outros cristãos.”

Prefácio do Patriarca caldeu

 

No prefácio da obra, escrito pelo Patriarca Sako, lemos nas entrelinhas o profundo desejo de reconstrução e de retorno: "A perseguição contra os cristãos e sua consequente emigração têm uma longa história, que começou bem antes do século XX e foi marcada por eventos de diversas naturezas: as perseguições por parte de autoridades públicas, as discriminações sociais, os golpes de Estado, as políticas do fundamentalismo muçulmano, o terrorismo e as guerras no Oriente Médio; um vasto território que ainda hoje é palco de sangrentos conflitos que levam muitos cristãos a abandonar seus países de origem, pois para eles não há futuro nesses locais. [...] A paz e estabilidade são condições essenciais para garantir que os cristãos que ainda residem possam permanecer em sua terra natal e aqueles que fugiram do fanatismo, da violência e da guerra possam retornar. No entanto, para ser estável, a paz deve ser acompanhada de justiça social e respeito mútuo entre pessoas de diferentes religiões, culturas e grupos étnicos; tudo isso é possível onde existe uma Constituição baseada não tanto na pertença religiosa, mas sim na igualdade entre os cidadãos. Nós, cristãos do Oriente, queremos construir juntos com os nossos vizinhos muçulmanos, uma sociedade capaz de respeitar o valor e a dignidade de todos, onde as autoridades e as instituições estatais se revelem concretamente ao serviço dos homens e das mulheres de nosso tempo".

Papa Francisco com Patriarca da Igreja Assíria do Oriente Gewargis III
Papa Francisco com Patriarca da Igreja Assíria do Oriente Gewargis III

Além dos esforços conjuntos entre o Pontifício Instituto Oriental e a Valore Italiano Editore, o projeto editorial desta obra de grande valor foi apoiado e sustentado também pelo Patriarca Sako, ex-aluno do Pontifício Instituto Oriental, que viu no trabalho do autor uma grande oportunidade da qual todos os estudiosos do cristianismo oriental poderiam se beneficiar, visto estes livros serem uma verdadeira "mina de informações” a ser acessada por pesquisadores que desejem aprofundar o tema e trabalhar na "reconstrução histórica" dos acontecimentos, no panorama geopolítico nos dias de hoje.

Um agradecimento também é dirigido à generosidade da L'Œuvre d'Orient, membro da ROACO, que já havia apoiado outro projeto editorial publicado em 2017 ("The Syriac Manuscripts of Tur ‘Abdin", de V. Ruggieri SJ, M.Braida, M.Pavan, M.Bernabò), voltado a preservar a identidade dos cristãos do Oriente.

Após a publicação dos 7 volumes da Ópera "A Questão Armênia 1894-1896 - 1908-1925" em 2015, vemos hoje  então "A Questão Caldea e Assíria | 1908 - 1938" em três volumes por P. Georges-H. Ruyssen SJ, uma obra que continua na direção a uma abertura, como um feixe de luz no "mapa" das origens do cristianismo, representado no Pontifício Instituto Oriental pela origem de muitos de seus alunos que, juntamente com os professore,s todos os dias animam a missão do Instituto.

Os interessados em participar da apresentação devem escrever para Dra. Nicoletta Borgia Al Bdeiwi pubblicherelazioni@orientale.it

Georges-Henri Ruyssen "LA QUESTIONE CALDEA e ASSIRA. 1908-1938". Archivi della Santa Sede, ASV, ACO, SS,RR,SS, (Coedizione Orientalia Christiana & Valore Italiano Editore). 

ISBN 978-88-97789-68-0 | Tomi, I, II, III, IV | Pagine 2454.

18 outubro 2019, 11:39