Busca

Vatican News
Estátua de São Bento de Núrsia, Patrono da Europa Estátua de São Bento de Núrsia, Patrono da Europa  (©Antonio Nardelli - stock.adobe.com)

Parolin: São Bento, farol e bússola para resistir aos desafios de nosso tempo

Não antepor nada diante do amor de Cristo para ser servos e testemunhas do Evangelho, a exemplo de São Bento e sua Regra, uma verdadeira bússola para resistir às tentações e convulsões dos tempos de hoje, foi o convite do cardeal secretário de Estado Pietro Parolin, na Missa celebrada na quinta-feira no Monte Oliveto Maggiore, na festa do Santo de Núrsia.

Cidade do Vaticano

Farol e bússola nas incertezas de hoje: assim o cardeal secretário de Estado Pietro Parolin descreve São Bento, celebrando a missa na Abadia do Monte Oliveto Maggiore, por ocasião da festa dedicada ao Santo padroeiro da Europa.

O mérito do Santo - disse o cardeal - foi ter identificado "uma forte e atraente ideia a qual se agarrar, para enfrentar a tempestade do velho mundo que desaparecia e aos gritos do novo que nascia".

 700 anos após, o cardeal Parolin definiu a Regra de São Bento como "uma verdadeira catedral de sabedoria, fundada não na areia das emoções fáceis ou de ímpetos generosos, mas pouco meditados e frágeis, mas na rocha sólida de uma fé robusta, enriquecida pela experiência e por uma prática de piedade e das virtudes”, que ainda permite “perceber os movimentos mais sutis do coração, suas grandes e nobres possibilidades e também suas arritmias e doenças, sempre em risco se deixa de tomar os remédios apropriados de humildade e oração".

A serviço de Cristo e da Igreja

 

O Secretário de Estado também enfatizou como o Santo de Núrsia deixou, com seu testemunho de vida e sua Regra, "um luminoso caminho de perfeição oferecido à nossa geração e ao nosso tempo".

Tempo que apresenta convulsões e reviravoltas contínuas, pelas quais cresce o desejo de sólidos pontos de referência, mas também de um sério e assíduo compromisso para resistir ao fogo fátuo das ilusões vazias ou das fugas da realidade.

 Segundo o cardeal Parolin, a bússola que lhe permite navegar sem se quebrar nas rochas é aquela que destaca São Benedito em sua Regra: "Nihil amori Christi praeponere",  ou seja, "não antepor nada diante do amor de Cristo".

Esta, explicou, é "a condição necessária e suficiente para atravessar as mudanças  permanecendo estáveis ​​na esperança, fortes na tentação, vitoriosos contra as forças que gostariam de desagregar e dissolver.”

Forte seu convite ao serviço e a colocar-se no seguimento  de Cristo, a exemplo de São Bento, disciplinando os pensamentos, palavras e ações, mas também a exortação em acolher "o sábio desígnio do amor de Deus sobre nós, sobre nosso próximo, sobre a Igreja e sobre a história". Somente assim, disse o cardeal Parolin, será possível "servir com pureza de intenção e tornar-se fontes atraentes de esperança”.

Derrotando o mundanismo espiritual

 

Depois, dirigindo-se aos monges, definiu-os como "um farol colocado na montanha", como "um chamado a uma vida repleta de significado porque doada e cheia de paz, não obstante os erros, os pecados, as misérias humanas e os dramas da história".

Além disso, acrescentou, vocês representam para o nosso mundo "uma verdadeira alternativa, um oásis de refúgio das intempéries e um sinal seguro e poderoso no caminho às vezes confuso e distorcido de tantas pessoas que estão tateando por aquela salvação e aquela felicidade que eles poderiam facilmente encontrar se olhassem para Jesus e para sua Mãe Maria”.

 A partir daqui, a exortação conclusiva para ser aquele farol que "ilumina a noite e nos faz ver a face paternal e misericordiosa do Senhor". Os monges com sua coerência - concluiu o cardeal - podem mostrar a todos que "é possível derrotar essa mundanidade espiritual, tantas vezes sinalizada pelo Papa Francisco como um dos maiores perigos".

12 julho 2019, 20:24