Cerca

Vatican News
Em 1911, aos 31 anos, Cristo lhe teria dito: "Edviges, quero que você seja a efígie da minha paixão". Assim, ela recebeu os estigmas da Paixão do Senhor em seu corpo Em 1911, aos 31 anos, Cristo lhe teria dito: "Edviges, quero que você seja a efígie da minha paixão". Assim, ela recebeu os estigmas da Paixão do Senhor em seu corpo. 

Italiana Edviges Carboni beatificada na Sardenha

Em sua vida, Edviges foi muito estimada por São Luís Orione, São Padre Pio e seu confessor, Padre Felice Capello, que já a consideravam santa.

Cidade do Vaticano

O prefeito da Congregação das Causas dos Santos, cardeal Angelo Becciu,  presidiu na manhã deste sábado, 15, em Pozzomaggiore, Sardenha, à solene celebração de beatificação de Edviges Carboni.

Edviges nasceu em 2 de maio de 1880, em Pozzomaggiore, Sardenha, em uma família de fazendeiros. Aos 5 anos, teria tido as primeiras visões de Jesus, da Virgem Maria e do seu Anjo da Guarda. Por isso, com apenas cinco anos de idade, fez votos de castidade.

Durante a sua juventude, era muito piedosa e participava todos os dias da Missa, da catequese para as crianças e das Irmandades e Movimentos, inclusive o da Ordem Terceira de São Francisco. No entanto, dedicou-se muito ao alívio da miséria dos enfermos e necessitados da sua cidade.

Desde a sua infância, Edviges queria entrar para a Vida religiosa, mas, seu confessor a dissuadiu, alegando que sua família precisava muito dela, uma vez que sua mãe havia falecido: devia substituí-la nos afazeres domésticos e sustentar seus irmãos.

Em 1911, aos 31 anos, Cristo lhe teria dito: "Edviges, quero que você seja a efígie da minha paixão". Assim, ela recebeu os estigmas da Paixão do Senhor em seu corpo. Este fenômeno místico não pôde permanecer oculto, causando desconfiança e calúnias das pessoas.

Em 1929, Edviges deixou a Sardenha e se transferiu, com sua família, para Roma, onde fez trabalhos humildes e se dedicou às obras de caridade. Durante a Segunda Guerra Mundial, de modo especial, assistiu os feridos, abandonados e prisioneiros políticos; ofereceu suas mortificações e sacrifícios físicos pela conversão dos pecadores e a salvação de todos os homens, sobretudo os que perseguiam os cristãos, no regime comunista. Com seu exemplo e conselhos, Edviges conseguiu muitas conversões ao cristianismo.

Em sua vida, Edviges foi muito estimada por São Luís Orione, São Padre Pio e seu confessor, Padre Felice Capello, que já a consideravam santa.

Edviges Carboni faleceu, repentinamente, em Roma, na noite de 17 de fevereiro de 1952, com setenta e dois anos de idade.

Seus restos mortais, trasladados em 2015 para o Santuário de Santa Maria Goretti, em Netuno, hoje descansam na paróquia de São Jorge Mártir, em Pozzomaggiore, sua cidade natal.

Photogallery

Algumas imagens da vida da Beata Edviges Carboni
15 junho 2019, 20:05