Cerca

Vatican News
Amazônia registra maior número de rotas do tráfico internacional de pessoas do Brasil Amazônia registra maior número de rotas do tráfico internacional de pessoas do Brasil 

Combate ao tráfico humano: professora aponta retrocesso do Brasil

Por ocasião da Conferência Internacional sobre o Tráfico de Seres Humanos, Dra. Márcia Maria de Oliveira constata com pesar o retrocesso do Brasil no combate ao fenômeno, ao decidir sair do Pacto Global sobre Migrações.

Bianca Fraccalvieri – Cidade do Vaticano

Prossegue na Fraterna Domus de Sacrofano, na periferia de Roma, a Conferência Internacional sobre o Tráfico de Seres Humanos, promovido pela Seção Migrantes e Refugiados para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral.

Entre os 200 especialistas, está a professora Márcia Maria de Oliveira, da Universidade Federal de Roraima, que atua em parceria com a Rede Eclesial Pan-Amazônica (Repam).

Em entrevista ao Vatican News, ela ressalta a intensificação do trabalho em rede para combater o fenômeno e sobre a reunião em si, declara-se satisfeita ao ver o engajamento das mulheres na investigação, nos estudos e também no atendimento ativo e efetivo às pessoas vítimas do tráfico humano.

Quanto à realidade brasileira, a professora constata com pesar o retrocesso do país, ao decidir sair do Pacto Global sobre Migrações:

“Isso nos coloca um pouco atrás naquele processo de enfrentamento ao tráfico de pessoas que a gente vinha realizando no Brasil desde 2002. Nesse sentido, algumas questões aparecem como retrocesso nas políticas públicas do lado brasileiro, que reflete diretamente também na Amazônia, a região do Brasil onde ocorre o maior número de rotas do tráfico internacional de pessoas. Pelo fato de ser uma região de fronteira, isso constitui uma fragilidade para toda a região e a ausência de políticas públicas acaba permitindo a livre atuação das rotas internacionais e isso é um problema grave para a Amazônia.”

Ouça a entrevista

Primeiras conclusões

Ao Vatican News, a Dra. Márcia escreveu as seguintes considerações acerca da Conferência Internacional:

As primeiras conclusões da referida Conferência apontam que o tráfico de seres humanos implica na atuação de grupos e empresas especializadas no aliciamento ou recrutamento de pessoas para o trabalho forçado em diferentes formas e situações que implicam a exploração sexual comercial, o matrimônio forçado, trabalho análogo ao escravo, mendicância forçada, tráfico de órgãos, exploração reprodutiva e outras formas de abuso e banalização da condição humana.
O estudo do documento Orientações Pastorais sobre o Tráfico de Pessoas aponta que “o tráfico de seres humanos atinge as pessoas mais vulneráveis da sociedade: as mulheres, jovens e adolescentes, as crianças, deficientes físicos, pessoas em situação de rua, migrantes e itinerantes”. O documento indica ainda que “se trata de um problema muito complexo e de difícil enfrentamento e erradicação por se apresentar de variadas formas, pela heterogeneidade de suas vítimas e pela diversidade de seus executores”. Além disso, representa uma economia de grande lucratividade como aquela vinculada à indústria internacional do sexo em pleno crescimento.
Por representar um setor do comércio ilícito com elevados lucros internacionais a única forma de enfrentamento é através da organização em redes com as instituições encarregadas em níveis locais, nacionais e internacionais. De acordo com os(as) conferencistas, a forma mais eficaz de enfrentamento ao tráfico de seres humanos é a criação e ou fortalecimento das redes que promovam a articulação de parcerias entre instituições vinculadas à justiça com objetivo de aperfeiçoamento de marcos regulatórios para fortalecer o enfrentamento ao tráfico de pessoas. Outra questão importante é a integração e fortalecimento de políticas públicas, redes de atendimento e organizações para prestação de serviços necessários ao enfrentamento do tráfico de pessoas, dentre os quais a necessária capacitação para o enfrentamento, a permanente produção, gestão e disseminação de informação e conhecimento sobre tráfico de pessoas em campanhas e mobilizações permanentes.
Os estudos e debates apresentados nesta conferência indicam que o Brasil apresenta retrocessos no que se refere à operacionalização do Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de pessoas com a redução de recursos humanos e financeiros destinados a ampliar e aperfeiçoar a atuação de instâncias e órgãos envolvidos no enfrentamento ao tráfico de pessoas, na prevenção e repressão do crime, na responsabilização dos autores, na atenção às vítimas e na proteção de seus direitos.
Outro retrocesso refere-se à constatação internacional da incapacidade do país em reduzir as situações de vulnerabilidade ao tráfico, consideradas as identidades e especificidades dos grupos sociais, os cortes nos investimentos à capacitação de profissionais, instituições e organizações envolvidas com o enfrentamento ao tráfico de pessoas. Por fim, é preocupante que o Brasil também reduziu investimentos no que se refere à produção e disseminação de informações sobre o tráfico de pessoas e as ações para seu enfrentamento. Todos estes retrocessos diminuem a capacidade do país em sensibilizar e mobilizar a sociedade para prevenir a ocorrência, os riscos e os impactos do tráfico de pessoas num contexto marcado por intensas migrações internas e internacionais que facilitam a atuação das redes internacionais especializadas no tráfico de pessoas.
Por outro lado, avalia-se que cresceram de forma significativa as iniciativas das instituições não governamentais que se mobilizam e se articulam em redes de enfrentamento ao tráfico de pessoas em todo o Brasil e, de maneira especial na Amazônia, com destaque para as instituições vinculadas à Igreja Católica como a Rede um Grito pela Vida e a Cáritas que continuam promovendo importantes campanhas de orientação e prevenção ao tráfico, assistência às vítimas, incentivo à formalização de denúncias e, o maior desafio que garantir proteção às vítimas e às instituições que se atrevem desafiar o crime organizado transnacional de tráfico de seres humanos.

10 abril 2019, 09:27