Cerca

Vatican News
Países pobres são os que pagam o custo mais elevado das mudanças climáticas Países pobres são os que pagam o custo mais elevado das mudanças climáticas  (hpgruesen)

Dom Auza (Santa Sé): mudanças climáticas são ameaça para a paz

Para prevenir as múltiplas consequências da elevação das temperaturas em nossa casa comum, bem como para impedir seus efeitos sobre a paz e a segurança mundial, é necessário “uma ação imediata”, disse o representante vaticano na Onu relançando um apelo do Papa a uma "conversão ecológica".

Cidade do Vaticano

Os dramáticos efeitos das mudanças climáticas em andamento em todos os países impõem uma “intervenção urgente” a nível global, sobretudo para as nações mais pobres: estão em jogo não somente vidas humanas e recursos naturais, mas também a paz e a segurança internacional.

Ouça a reportagem

Foi a advertência relançada pelo observador permanente da Santa Sé na Onu, Dom Bernardito Auza, em pronunciamento na sexta-feira (25/01) num debate dedicado a este tema na sede das Nações Unidas, em Nova York.

Conflitos devido ao aquecimento favorecem o extremismo

Os efeitos do aquecimento global já começam a ser vistos, sobretudo nos países mais pobres, os que pagam o custo mais elevado das mudanças climáticas, como confirmam estudos recentes, ressaltou o arcebispo filipino.

O representante vaticano citou, entre outros, o caso do Lago do Chade, onde a crescente escassez de água está provocando um deslocamento maciço de populações e o aumento dos conflitos, terreno fértil para a expansão do extremismo.

Urge “uma ação imediata”

Para prevenir as múltiplas consequências da elevação das temperaturas em nossa casa comum, bem como para impedir seus efeitos sobre a paz e a segurança mundial, é necessário “uma ação imediata” segundo as diretrizes indicadas no último Relatório do Grupo intergovernamental de especialistas sobre a mudança climática, ressaltou Dom Auza.

Trata-se, concretamente, de potencializar a governança em vários níveis, melhorar a eficácia das instituições, promover a inovação tecnológica, reforçar os instrumentos políticos e os financiamentos ao clima e permitir mudanças de estilos de vida e comportamento.

Papa Francisco chama todos a uma “conversão ecológica”

Estas ações fazem parte daquela “conversão ecológica solicitada por Francisco e que interpela a comunidade internacional e toda pessoa, afirmou o observador permanente.

Por fim, o núncio apostólico relançou o apelo do Papa “a um compromisso mais decidido por parte dos Estados a reforçar a colaboração ao contrastar com urgência o preocupante fenômeno do aquecimento global”. “Nossa incapacidade de agir” obrigará “os mais vulneráveis a lutar pelo alimento  e a desencadear guerras pela água”, concluiu o representante vaticano.

28 janeiro 2019, 17:02