Versão Beta

Cerca

Vatican News
Prosseguem no Vaticano os trabalhos do Sínodo dos Bispos dedicado aos jovens Prosseguem no Vaticano os trabalhos do Sínodo dos Bispos dedicado aos jovens 

Relançar aliança Igreja-família para acompanhar discernimento dos jovens

Nesta quarta Congregação geral foi também central o chamado à aliança Igreja-família: primeiro educador dos jovens, sobretudo no acompanhamento rumo à idade adulta, o núcleo familiar baseado no matrimônio cristão deve ser hoje revalorizado. No campo da formação foi recordada a importância da Doutrina social da Igreja.

Cidade do Vaticano

“Muitos hoje falam dos jovens, mas não muitos falam aos jovens”: era o que afirmava o Papa Paulo VI, proximamente santo, e o repete hoje o Sínodo. O tema da escuta retornou na parte da manhã desta sexta-feira (05/10), na quarta Congregação geral, cadenciado de diferentes modos: há a necessidade de ouvir os jovens no mundo digital, onde a bulimia informática muitas vezes corresponde à anorexia dos sonhos, com o risco de criar “info-obesos”.

Mas há também a necessidade de olhar a face positiva da juventude, portadora de grandes recursos humanos e espirituais, como a amizade, a solidariedade, o voluntariado, a autenticidade no testemunho, o pedido de coerência dirigido à sociedade civil, o apelo a uma Igreja mais corajosa e evangélica.

Confrontar-se construtivamente com os adultos

Os jovens buscam a escuta de um adulto, que lhes dedique tempo, os acolha com empatia e respeito, não os julgue e os acompanhe no discernimento, inclusive vocacional. Uma necessidade hoje maior ainda, vista a tendência de alguns adultos a querer ser jovem a todo custo, uma atitude que desorienta os jovens, privando-os de pontos de referência.

Importância da liturgia e dos sacramentos

Os padres sinodais recordaram, em seguida, a importância de revitalizar a missa, as orações diárias, os sacramentos, que representam um modo para atrair os jovens, torná-los parte ativa da vida da Igreja, favorecendo o protagonismo deles.

Por conseguinte, nas celebrações litúrgicas deve-se dar atenção a uma utilização mais envolvente da música, bem como à catequese e às homilias: não basta a memorização de orações e fórmulas, é preciso uma pregação alegre e inspiradora, porque os jovens devem entender com a cabeça e crer com o coração, diz o Sínodo.

 Somente desse modo, poderão ser os primeiros apóstolos de seus coetâneos. Agente de mudança, construtora de paz e unidade no mundo, a juventude deve ser considerada um lugar teológico, em que a Igreja se reconhece.

Solidão em abundância

Ao mesmo tempo, os pastores não devem limitar-se a esperar os jovens nas paróquias: o verdadeiro desafio é ser “Igreja em saída” para alcançar os jovens onde estes se encontram. Muitos deles têm muitas amizades virtuais mas nenhum amigo verdadeiro, sofrendo assim a chamada “solidão em abundância”, à qual a Igreja pode oferecer uma resposta real.

No campo da formação foi recordada a importância da Doutrina social da Igreja, bússola válida que pode orientar a juventude nas escolhas de vida, bem como o papel das escolas católicas, consideradas ótimos centros educacionais, mas talvez incapazes de envolver completamente os jovens na vida eclesial.

Aliança Igreja-família

Nesta quarta Congregação geral foi também central o chamado à aliança Igreja-família: primeiro educador dos jovens, sobretudo no acompanhamento rumo à idade adulta, o núcleo familiar baseado no matrimônio cristão deve ser hoje revalorizado.

De fato, ele representa o primeiro banco escolar também para quem entra no seminário. Por isso, hoje se mostra necessária uma reflexão sobre a figura paterna, pilar para a transmissão da fé e para o amadurecimento da identidade dos filhos. Trata-se de um papel que deve ser levado adiante em colaboração, e não em concorrência, com a figura materna, observou-se na Sala do Sínodo.

Acolher refugiados e migrantes

Da Sala do Sínodo ecoa também um apelo em favor do acolhimento a migrantes e refugiados, muitas vezes jovens, cuja dignidade é tão frequentemente violada. A palavra chave é solidariedade, evocam os padres sinodais, a fim de que os jovens refugiados se sintam realmente acolhidos e integrados. O Sínodo insiste sobre a necessidade de se trabalhar a fim de que os povos não sejam obrigados a migrar, mas possam permanecer em seus países de origem.

“Ministério da escuta”

A Sala do Sínodo deu a palavra ao convidado especial, Prior da Comunidade de Taizé, Irmão Alois, que evocou a importância do “ministério da escuta”, a ser confiado, quem sabe, também aos leigos.

O fundador da Comunidade monástica ecumênica de Taizé, Irmão Roger Schutz, dizia: “Quando a Igreja escuta torna-se aquilo que é: uma comunhão de amor”, ressaltou o Irmão Alois.

 

Em seguida, foi dado espaço a oito auditores e auditoras: os jovens não são meras categorias estatísticas, afirmou-se num dos pronunciamentos, mas desejam ser parte da solução para as dificuldades atuais.

Daí, o apelo ao mundo a fim de que faça uma opção preferencial por eles: feridos por sistemas que excluem, que não favorecem a igualdade e a justiça, os jovens devem ser ouvidos e ajudados de modo concreto, porque correm o risco de tornar-se como os pobres de nosso tempo, ou seja, vítimas da “cultura do descarte”.

Firmeza e transparência no combate aos abusos

Ser jovem hoje parece garantir, quase automaticamente, a inscrição na categoria dos “descartados”: desenraizados e “nascidos líquidos” (sem solidez, ndr), os jovens  de hoje são incertos e frágeis, muitas vezes instrumentalizados pela política, desprovidos de futuro.

Pelo contrário, eles sonham um mundo que os conduza e lhes permita ser protagonistas da história, construtores na ótica do serviço e não do poder. Nas palavras dos auditores, também o apelo à firmeza e à transparência no combate aos abusos, a fim de que a Igreja seja mais crível.

Por fim, um chamado à valorização do papel da mulher na vida eclesial, de modo que se sinta encorajada a crescer na liberdade da fé em Jesus. (Isabella Piro)

05 outubro 2018, 17:52