Versão Beta

Cerca

VaticanNews
Uma mulher síria entre os escombros de Zamalka, Goutha oriental Uma mulher síria entre os escombros de Zamalka, Goutha oriental  (AFP or licensors)

Santa Sé na ONU: dignidade da mulher instrumento de paz

Garantir que a voz das mulheres e sua participação efetiva nos processos de reconstrução da paz sejam garantidas.

Cidade do Vaticano

“A Santa Sé junto com a Comunidade internacional a fim de garantir às mulheres não somente a paz e a segurança, mas também o seu maior envolvimento nos processos de reconstrução da paz, não obstante o aumento dos desafios e a situação internacional complexa.”

Em seu pronunciamento nesta segunda-feira (16/04), em Nova Iorque, no Debate do Conselho de Segurança das Nações Unidas “Mulheres, paz e segurança”, o núncio apostólico, Dom Bernardito Auza, observador permanente da Santa Sé na ONU, evidenciou três pontos fundamentais aos quais a Santa Sé está muito atenta e comprometida junto com o Conselho de Segurança em prol do respeito da dignidade da mulher.

1.  Prevenção de conflitos incentivando o diálogo e a negociação. Garantir que a voz das mulheres e sua participação efetiva nos processos de reconstrução da paz sejam garantidas.

2.  Prevenção de toda forma de violência contra as mulheres nas áreas de conflito. A proteção de seus direitos e interesses devem fazer parte de todo âmbito das operações de paz.

3.  Atenção e compromisso a fim de prevenir a violência contra a mulher também em situações de pós-conflito, promovendo a educação e o desenvolvimento econômico e social a fim de que os benefícios possam ser usufruídos por toda a população.

Igreja e educação

Em relação ao processo de educação das populações, o núncio apostólico recordou o compromisso concreto e sempre presente da Igreja católica, sobretudo em prol de mulheres e garotas capazes de contribuir para a paz e a harmonia das famílias e da sociedade.

As palavras do Papa em Porto Maldonado

Na conclusão de seu discurso, Dom Auza citou as palavras proferidas no Peru, em 19 de janeiro passado, pelo Papa Francisco: “Não podemos «olhar como normal» a violência, tomá-la como uma coisa natural. Não, não se «considere normal» a violência contra as mulheres, mantendo uma cultura machista que não aceita o papel de protagonista da mulher nas nossas comunidades. Não nos é lícito virar cara para o outro lado, irmãos, e deixar que tantas mulheres, especialmente adolescentes, sejam «espezinhadas» na sua dignidade.”

 

17 abril 2018, 20:04