Versão Beta

Cerca

Vatican News
Coro da Capela Sistina regido por mons. Massimo Palombela Coro da Capela Sistina regido por mons. Massimo Palombela 

Os cantos do Coral da Capela Sistina para o Tríduo Pascal

A Capela musical Pontifícia Sistina, a mais antiga formação coral do mundo, recorre ao repertório arquivado ao longo dos séculos no fundo "Capela Sistina", presente na Biblioteca Apostólica Vaticana, para estudar e pesquisar as músicas a serem interpretadas nas celebrações papais.

Massimo Pallombella – Cidade do Vaticano

A Semana Santa é o coração de todas as celebrações que acontecem no decorrer do ano litúrgico. Historicamente, o melhor da produção musical para a liturgia - e também para situações extra-litúrgicas - centra-se precisamente sobre esta semana e especialmente no Tríduo Santo.

A Capela musical Pontifícia Sistina, a mais antiga formação coral do mundo, acompanhou ao longo da história a liturgia papal e todas as reformas que esta teve,  recolhendo ao longo do tempo um vasto repertório hoje preservado no fundo "Capela Sistina" presente na Biblioteca Apostólica Vaticana.

E é precisamente a este precioso fundo que a cada vez se recorre para realizar com pertinência a primeira missão da Capela que é o cuidado, o estudo e a pesquisa em relação às celebrações papais, no horizonte do quanto hoje a reforma litúrgica do Concílio Vaticano II exige.

A partir deste trabalho de pesquisa e estudo, surge uma proposta musical para Tríduo Santo, que procura integrar o patrimônio histórico-cultural da Igreja com a necessária novidade que representa  o imprescindível diálogo com a cultura contemporânea.

Para a Missa do Crisma - onde se cantará a Missa de Angelis para favorecer a fácil participação de todos (com o Sanctus alternado entre gregoriano e polifonia de nova forma) - digno de nota são o ofertório Dextera Domini de Giovanni Pierluigi da Palestrina (Capella Sistina 43  [1619], ff.7v-11r) junto ao tradicional O redemptor incluído com uma nova elaboração polifônica do refrão e com as estrofes realizadas em polifonia em duplo coro, que serão cantados ao final da celebração, após a antífona mariana.

A ação litúrgica da Sexta-feira Santa terá, no lugar Salmo responsorial, a canção da peça Domine orationem Exaudi meam e o famoso gradual Christus factus est. A Passio vai ser alternada com as intervenções polifônicas de Tommaso Ludovico da Vittoria (Officium Hebdomadae sanctae [Romae, Apud Alexandrum Gardanum, 1585]; Capell Sistine 322 [1737], ff 24v-38r).

Para a adoração da cruz, à proposta em canto gregoriano Ecce Lignum Crucis, responderá a Capela Sistina com Venite adoremus de nova composição. Seguirá o Popule meus de Giovanni Pierluigi da Palestrina, incluído na sua concreta interpretação do estudo cuidadoso do manuscrito do próprio Palestrina, conservado no Arquivo musical Lateranense (código 59, ff. 89v-90).

Após Popule meus ressoará o inédito Miserere de Costanzo Festa composto em 1517, ano em que entrou como cantor na Capela Pontifícia (Capella Sistina 205-206 [sec. XVII], ff. 5v-7r, 9v-12r, atribuição de L . Baini), composição que representa de alguma forma a "fonte" (com o anônimo de 1514) de todos os Miserere a "Faux-Bourdon" sucessivamente escritos para as celebrações papais (Luigi Dentice, Francesco Guerrero, Teofilo Gargari, Giovanni Francesco e Felice Anerio, Sante Naldini, Giovanni Pierluigi da Palestrina, Ruggero Giovannelli, Gregorio Allegri...).

Para a antífona de Comunhão Diviserunt sibi vestimenta mea serão alternados dois versos: Recordata e Omnis populis retirados das Lamentações de Giovanni Pierluigi da Palestrina (Octob Lat 3387..).

O segundo canto de comunhão será o responsório Sepulto Domino de Domino Tommaso Ludovico da Vittoria (Capela Sistina 74 [1585]), que irá introduzir-nos no silêncio do Sábado Santo.

A Via Sacra no Coliseu será aberta com Adoramus te Christe Francesco Rossello (Cappella Sistina [metade do século XVIII] 484-489, ff 44v-45r.) – composição que, por sua sofisticação, foi atribuída por um longo tempo a Palestrina – se concluirá com o responsorial Sepulto Domino de Marc’Antonio Ingegneri (Responsoria hebdomae sanctae [Venetiis, Apud Riciardum Amadinum, 1588]).

Na Vigília Pascal, é interessante notar a conexão entre o anúncio do Aleluia no VIII modo após a epístola e o salmo responsorial, que tem como refrão o conhecidíssimo Aleluia pascal, de modo a favorecer a fácil participação de toda a assembleia.

Tal conexão ocorre com uma intervenção polifônica da Capela Sistina, que realiza uma espécie de "transição" entre o oitavo e o VI modo, criando uma fluidez e pertinente continuidade entre o anúncio do Aleluia e o salmo responsorial.

No Ofertório será cantado o motete pascal Surrexit pastor bonus com dupolo coro de Giovanni Pierluigi da Palestrina (Capela Sistina 29 [final do século XVI], ff 84V-88r; Capela Sistina 97 [1687], ff 3v-11r.). O verso da antífona de comunhão Pascha nostrum será Confitemini Domino de nova forma.

A Missa do dia no Domingo de Páscoa - com base na Missa de Angelis para facilitar a participação de todos (com o Gloria alternado entre o canto gregoriano e a polifonia de nova forma) - começará com um canto processional, cujo refrão é evidenciado pela introdução da própria celebração, Resurrexi, e a qual introdução conduz naturalmente.

No ofertório haverá a antífona própria Terra tremuit de Giovanni Pierluigi da Palestrina (Capela Sistina 549 / I-550 / I-551 / s [1593], Cappella Giulia XIII.11 / s [1593]).

Na Vigília de Páscoa e no Domingo de Páscoa teremos também a presença de um grupo de instrumentos de metal. Tal escolha - que teve origem com o Maestro Giuseppe Liberto (maestro diretor do Sistina 1997-2010), por ocasião do Jubileu do ano 2000 - é a resposta concreta ao que a reforma litúrgica do Concílio Vaticano II exige em relação a uma saudável “ministerialidade” onde celebrante, assembleia, coro e instrumentos musicais, interagem como "sujeitps celebrantes”.

O desafio do Concílio Vaticano II em relação ao grande patrimônio cultural da Igreja é o de saber recoloca-lo na liturgia de hoje com "pertinência celebrativa”. Somos desafiados em ser guardiões da tradição, mas não como se faria em um museu. (L'Osservatore Romano)

Mons. Massimo Palombella

 

 

28 março 2018, 15:00