Busca

Vatican News
Viagem Apostólica do Papa ao Iraque Viagem Apostólica do Papa ao Iraque  (Vatican Media)

As vozes da viagem do Papa ao Iraque: gratidão e alegria

Da Planície de Nínive a Ur, de Bagdá a Erbil: todo o Iraque está seguindo a visita histórica do Papa e em todos há um sentimento comum de esperança para um futuro diferente no qual o respeito e a paz serão mais uma vez o fundamento da convivência fraterna.

Massimiliano Menichetti - Bagdá (Iraque)

Uma proximidade concreta aos cristãos e a todo o Iraque para que eles possam continuar a dar testemunho: isto é o que os que seguem a visita do Papa percebem claramente dos gestos e palavras do Papa, dizendo-se prontos para uma acolhida generosa. Eis o que nos fala Padre Karam Najeeb Yousif Shamasha, sacerdote da Igreja Caldeia em Telskuf, na Planície de Nínive, onde o Papa estará neste domingo e que tanta dor sofreu em termos de violência, especialmente durante o cerco do ISIS:

R. - Estamos vivendo esta visita como uma proximidade que o Santo Padre quer nos mostrar. Nós somos poucos... não somos muitos aqui no Iraque, somos uma minoria muito pequena, com o desejo de estar perto daqueles que estão mais distantes: isto já é uma coisa muito preciosa para nós. E somos afortunados porque o Santo Padre não viaja há cerca de um ano, e por isso o fato de ele ter escolhido nosso país já é uma coisa muito significativa para nós, e queremos acolhê-lo com todo o nosso coração: em nossos corações antes mesmo do que no nosso território.

O Iraque é uma terra martirizada, há muitas dificuldades: do terrorismo à Covid, mas isso não detém, como diz o Papa, a esperança de mudança...

R. - Há dificuldades, devido ao fato de que a cada dia surge algo novo relacionado à segurança. Além da pandemia, há problemas políticos, econômicos... Tantas pessoas que não recebem um salário há meses e meses. Apesar de tudo isso, há uma luz nesta escuridão ao nosso redor.

A Planície de Nínive, em particular, tem sofrido perseguição por parte do ISIS. Mais de 12.000 pessoas já fugiram...

R. - Nesta terra, na Planície de Nínive, nosso sofrimento dura há anos ... Por exemplo, em minha aldeia, antes da chegada do ISIS, tínhamos cerca de 1.450 famílias. Agora só restam 600/650: cerca da metade das famílias já estão no exterior. Aqui, em todo o Iraque, restam mais ou menos 250.000 fiéis.

Agora, no entanto, as coisas estão melhorando...

R. - A presença de cristãos na Planície de Nínive, graças a Deus, está voltando lentamente. Desde 2017, lentamente as famílias voltaram e recomeçaram a construir suas casas. Tudo isso foi possível graças à ajuda da Igreja e graças aos muitos benfeitores: nossos irmãos e irmãs cristãos em todo o mundo nos ajudaram a voltar para nossas casas e também para nossas igrejas.

O apelo do Papa é para que todos sejam irmãos: o que esta viagem traz?

R. - Na minha opinião, esta viagem trará um pouco de paz ao coração de todos. Esperamos que com a oração do Santo Padre, que está muito próximo de nós - porque o Santo Padre sempre nos acompanhou em suas orações, mas agora ele vai rezar aqui conosco - esperamos que traga algo melhor para este país e para todas as pessoas que aqui vivem.

Uma viagem histórica: pela primeira vez um Papa vem ao Iraque. E é uma viagem seguida por toda a mídia do mundo.

R. - Este acompanhamento: precisamente o mostrar ao mundo que também este pequeno rebanho... sim, somos poucos, mas fazemos parte desta família cristã. Por isso, agradecemos por tudo o que vocês mostram ao mundo: que os cristãos existem e estão em todo o mundo, unidos pela oração apesar de todas as dificuldades.

O Papa continua a reiterar a importância da presença cristã no país: além disso, são comunidades que estão entre as mais antigas...

R. - Como sobrevivemos a todas as perseguições e dificuldades, esperamos que nosso testemunho dê bons frutos para todos e esperamos também que nossos irmãos no mundo não nos esqueçam com suas orações e sua proximidade.

Não só os cristãos abraçam o Papa: nestes dias, é todo o país que o saúda com respeito e gratidão. Neste mosaico de diferentes culturas, povos e credos, no qual todos sofreram, há um tesouro a ser protegido que é a convivência, que pode ser uma realidade. Nas reações à visita de Francisco há também este aspecto como nos diz Davide Bernocchi, representante do Catholic Relief Services no Iraque:

R. - Parece-me que todo o Iraque aguarda esta visita com grande alegria e com um sentimento de gratidão e de grande respeito para com o Santo Padre. Trata-se verdadeiramente de todos os componentes étnicos e religiosos que sentem que o Papa vem aqui para ajudar este país, para encorajá-lo em um momento difícil, para dizer-lhe, em uma palavra, que o mal absoluto que representava a página negra do ISIS, não tem a última palavra, e para mostrar o caminho para a reconstrução material, mas sobretudo espiritual e moral deste país: este caminho é indicado pela mensagem que o Santo Padre traz sobre a fraternidade humana.

O que significa aqui falar de convivência: o espectro do fundamentalismo ainda está tão vivo?

R. - O povo iraquiano é um mosaico de muitas comunidades diferentes, e um tesouro, de um ponto de vista cultural, para toda a humanidade. Do meu ponto de vista, a diversidade encontrada neste país - cultural, religiosa, étnica - realmente não tem paralelo nesta parte do mundo. Portanto, a coexistência é, na realidade, algo a que o povo iraquiano está acostumado há séculos. Infelizmente, durante a última década, isto foi colocado em sérias dificuldades pelos acontecimentos que todos sabemos ligados ao ISIS, à violência sectária que tem devastado este país. Neste momento, porém, existe um desejo real de virar esta página e voltar a viver juntos, e de se sentir parte de uma família comum.

Uno degli incontri principali di questo viaggio è quello di Ur: l’incontro interreligioso...

R. – Ur è la città in cui Dio ha chiamato Abramo e gli ha chiesto di lasciare dietro di sé la sua vecchia vita per seguirlo verso frontiere e orizzonti ignoti. Abramo ha accettato ed è stato così il primo credente. Abramo è il padre spirituale, come sappiamo, dell’Ebraismo, del Cristianesimo, dell’Islam, ma anche di tanti altri gruppi religiosi. Quindi mi sembra veramente importante il fatto che il Santo Padre non vada ad Ur da solo per connotare cattolicamente, cristianamente, questa visita, ma ha scelto proprio Ur come il luogo di un incontro interreligioso, e questo a significare che il suo messaggio sulla Fratellanza Umana non è qualcosa che si limita alle parole ma, come al solito, il Santo Padre ci ha abituato al fatto che alle parole seguono i fatti, o a volte addirittura i fatti precedono le parole. Quindi questo incontro molto forte credo che sarà una grande ispirazione per tutti in questo Paese, cristiani e non cristiani, perché il messaggio è quello che non si può rimanere chiusi nei muri che costruiamo per proteggerci, perché diventano ghetti e ci soffocano. Quindi l’unico futuro è rappresentato dal ritorno alla collaborazione, alla conoscenza e all’apprezzamento reciproco.

Um dos principais encontros desta viagem é o de Ur: o encontro inter-religioso...

R. - Ur é a cidade onde Deus chamou Abraão e lhe pediu que deixasse para trás sua antiga vida para segui-lo em direção a fronteiras e horizontes desconhecidos. Abraão aceitou e foi assim o primeiro crente. Abraão é o pai espiritual, como sabemos, do judaísmo, do cristianismo, do islamismo, mas também de muitos outros grupos religiosos. Portanto, acho que é realmente importante que o Santo Padre não vá a Ur sozinho para conotar catolicamente, cristãmente, esta visita, mas tenha escolhido Ur como o lugar de um encontro inter-religioso, e isto significa que sua mensagem sobre a Fraternidade Humana não é algo que se limita às palavras, mas, como sempre, o Santo Padre nos acostumou ao fato de que as palavras são seguidas por atos, ou às vezes até mesmo os atos precedem as palavras. Portanto, este encontro muito forte, acredito que será uma grande inspiração para todos neste país, cristãos e não-cristãos, porque a mensagem é que não podemos permanecer fechados nas paredes que construímos para nos proteger, porque elas se tornam guetos e nos sufocam. Portanto, o único futuro é um retorno à colaboração, ao conhecimento e à apreciação mútua.

 

06 março 2021, 13:11