Busca

Vatican News
Santuário de Nossa Senhora de Bonária em Cagliari Santuário de Nossa Senhora de Bonária em Cagliari  (©murasal - stock.adobe.com)

Carta do Papa ao povo de Cagliari pelos 650 anos de Nossa Senhora de Bonária

Que o Santuário continua sendo, hoje, um meio para levar a voz do Senhor ao mundo e nele nasçam testemunhas fervorosas. Estes são os votos do Papa Francisco numa carta enviada à Igreja de Cagliari em comemoração do Ano Jubilar Extraordinário.

Gabriella Ceraso – Cidade do Vaticano

A Igreja em Cagliari está vivendo a “feliz circunstância” das comemorações do Ano Jubilar Extraordinário, para comemorar os 650 anos da chegada da venerada imagem de Nossa Senhora de Bonária. Com a carta, Francisco se une espiritualmente a toda a comunidade eclesial, em particular aos Padres Mercedários que custodiam, com amor, o ícone venerado da “Senhora que veio do mar”, em 1370.

Santuário, memória da graça celestial

Na missiva endereçada ao arcebispo de Cagliari, dom Giuseppe Baturi, o Papa lembra que a “visita” de Maria “mudou a face espiritual e civil de Cagliari e de toda a Sardenha”, que desde 1370 transformou gradualmente o Santuário de Bonária “na cidadela da oração, centro de ação do Evangelho, lugar de muitas graças e conversões, baluarte da piedade mariana, para o qual aqueles que sobem a colina de mesmo nome olham com fé”. “É um lugar”, escreve Francisco, “que permaneceu ao longo dos séculos como uma lembrança da graça celestial: a montanha é um lugar privilegiado, segundo a tradição bíblica, de encontro com Deus, oásis de silêncio para ouvir sua voz que, como uma brisa suave, fala ao coração dos humildes de coração a fim de confortá-los e torná-los mensageiros de esperança entre seus irmãos”.

O Senhor também fala hoje através de Nossa Senhora de Bonária

O Papa ressalta que o Senhor também fala hoje “à humanidade, que precisa reencontrar o caminho da paz e da fraternidade, através da mensagem de Nossa Senhora de Bonária. Que seus numerosos devotos deem a todos um testemunho válido, através de uma adesão cada vez mais firme a Cristo e uma doação generosa aos irmãos, especialmente os mais necessitados”.

Com essa esperança, ao recordar também a alegria vivida na peregrinação a Bonária em 22 de setembro de 2013, o Papa conclui sua carta, invocando toda “graça desejada” para a Ilha e sua Igreja, de maneira especial para os doentes, sofredores e toda situação de dificuldade.

A gratidão do arcebispo

Em resposta às palavras do Papa, o arcebispo partilhou a alegria de toda a comunidade agradecendo ao Santo Padre por seu pensamento paterno que chegou “num momento de sofrimento e preocupação por causa da difusão da nova epidemia viral”.

25 março 2020, 13:57