Busca

Vatican News
Beatificação do padre Pedro Kasui KIbe e 187 companheiros mártires Beatificação do padre Pedro Kasui KIbe e 187 companheiros mártires 

Japão: há 11 anos, beatificação do padre Kibe e 187 companheiros

Em 24 de novembro de 2008, em Nagasaki, foi celebrada a primeira beatificação em terras japonesas, na qual, não obstante o clima severo, tomaram parte 30.000 fiéis. Como delegado do Papa estava o cardeal José Saraiva Martins, prefeito emérito da Congregação para as Causas dos Santos.

Roberta Barbi - Cidade do Vaticano

Apesar do mau tempo, um dia belíssimo para a Igreja no Japão naquele 24 de novembro de 2008, no qual 188 mártires japoneses juntaram-se aos 395 Beatos e 42 Santos com os quais a Igreja local já podia se orgulhar. Mas desta vez a emoção era ainda mais forte porque, pela primeira vez a cerimônia era celebrada no Japão e precisamente em Nagasaki, uma cidade no arquipélago onde vivem dois terços da comunidade católica local.

Há muito havia terminada a era dos "kakure kirisitan", os "cristãos escondidos" de um dos países onde os fiéis pagaram um dos mais altos preços em sangue da história recente e não só, como no caso dos 188, todos martirizados entre 1603 e 1639, em diferentes cidades. Entre eles, o padre jesuíta Pedro Kasui Kibe, outros dois sacerdotes da Companhia de Jesus, um agostiniano e muitos, muitos leigos, incluindo nobres, camponeses, mulheres, até crianças muito pequenas, e mesmo famílias inteiras das quais as dioceses do país fazem memória litúrgica em 1º de julho de cada ano.

Padre Pedro Kasui Kibe, em viagem para realizar um sonho

 

O futuro padre Pedro nasceu em Urube apenas 38 anos após o desembarque de São Francisco Xavier no Japão em 1549: seus pais eram convertidos de primeira geração. Inscrito no Seminário com seu irmão, após seis anos de estudos pediu para entrar na Companhia de Jesus, mas lhe foi negado.  No entanto, em 1614, o Shogun Tokugawa emitiu um decreto com o qual foram expulsos todos os sacerdotes e religiosos do país. Assim,  foi forçado a buscar refúgio em Macau.

Quando também lá foi fechado o Seminário jesuíta, Pedro empreendeu uma viagem aventureira que o levou primeiro a Goa, na Índia, e dali, a pé pela antiga Rota da Seda, chegou à Terra Santa. Depois de ter visitado os lugares onde Jesus viveu, chegou a Roma para pedir, finalmente, sua ordenação ao Padre Geral, padre Claudio Aquaviva que, impressionado, o acolhe no Seminário diocesano. Uma semana mais tarde, é ordenado na Basílica São João de Latrão.

Em 1623 partiu novamente, ansioso para levar a Palavra do Senhor aos irmãos japoneses. Sete anos depois, junto com outros dois companheiros, conseguiu retornar clandestinamente ao país, vindo a se estabelecer perto de Osaka. Em 1639 foi preso em Honshu e de lá transportado para Edo - a atual capital Tóquio - onde, tendo se recusado a abjurar de sua fé, foi morto com horríveis torturas em uma fossa de esgoto.

O martírio do samurai com a Cruz

 

A mesma sorte do padre Kasui estava reservada a outros dois jesuítas: Giuliano Nakaura, que por 19 anos trabalhou como missionário escondido no Japão e Diogo Yuri Ryosetsu, membro da antiga família do Shogun Ashikaga, que viajou por todo o país para encorajar os cristãos e converter os outros, entrando até mesmo em prisões para levar os Sacramentos aos prisioneiros.

Depois há também um agostiniano, Thomas Jihyoe, nome de batalha "Kintsuba", que secretamente evangelizou no vale com o mesmo nome. Todos testemunhas da Igreja “ide e anunciai”, da realidade da Igreja missionária, que às vezes também é a Igreja de sangue, como recordou 10 anos atrás, aos microfones da Rádio Vaticano, o prefeito emérito da Congregação para as Causas dos Santos, cardeal José Saraiva Martins: "É interessante recordar que entre esses mártires japoneses há famílias inteiras - observou ele -, portanto, é uma mensagem para a família de hoje que é obrigada a testemunhar a fé, a vivê-la em profundidade, pais e filhos, como uma verdadeira Igreja doméstica".

O Japão desde a época dos Shoguns até hoje

 

Não era um contexto fácil em que viviam os primeiros cristãos japoneses de 1600: naturalmente, havia estrangeiros no país que iam para lá por razões econômicas, mas em relação a toda a cultura ocidental e, portanto, também em relação à religião católica, existia uma desconfiança natural que eclodiu, mais tarde, em uma perseguição declarada após um período inicial de tolerância e até de florescimento.

A crueldade não poupou mulheres e crianças, mortas como verdadeiros mártires, "in odium fidei" simplesmente porque eram cristãos. Aos sacerdotes e  religiosos, como vimos, era pedido sob tortura que renegassem sua fé, à qual haviam se consagrado, e as execuções, mesmo em sua truculência, eram públicas porque precisavam servir de advertência ao resto da população.

Somente alguns séculos mais tarde os sacerdotes puderam retornar ao Japão sem medo e, desde então, a presença jesuíta é muito forte, tanto que até o padre Pedro Arrupe - superior geral da Companhia de Jesus de 1965 a 1983, cuja causa de beatificação foi há pouco iniciada - passou muito tempo na Terra do Sol Nascente.

24 novembro 2019, 05:37