Busca

Vatican News

O encontro fraterno entre Francisco e Bartolomeu I no Vaticano

O Patriarca de Constantinopla foi recebido ao meio-dia desta terça-feira pelo Papa Francisco. Após o encontro, acompanhados pelas respectivas delegações, almoçaram juntos na Casa Santa Marta.

Jackson Erpen - Cidade do Vaticano

A Sala de Imprensa da Santa Sé comunicou na tarde desta terça-feira, 17, que o Santo Padre recebeu no final da manhã de hoje o Patriarca de Constantinopla, Bartolomeu I.

“O encontro ocorreu em um ambiente fraterno e foi seguido pelo almoço conjunto, com as respectivas delegações, na Casa Santa Marta”, informou o diretor Matteo Bruni.

 

Antes do encontro,  à convite do secretário do Conselho dos Cardeais, Dom Marcello Semeraro,  o Patriarca fez uma breve saudação aos membros do Conselho dos Cardeais,  enfatizando a eles o valor da sinodalidade na Igreja Ortodoxa e assegurou a sua oração.

A última vez que os dois líderes haviam se encontrado foi na cidade italiana de Bari em 7 de julho de 2018, no dia especial de oração e reflexão pela paz no Oriente Médio, que reuniu patriarcas e líderes cristãos do Oriente Médio.

Mas a troca de mensagens e presentes ocorreu algumas vezes desde então, como o significativo gesto do Papa Francisco de presentear Bartolomeu I com algumas relíquias do Apóstolo São Pedro, em 29 de junho de 2019, entregues à delegação do Patriarcado Ecumênico, presente em Roma para a Solenidade dos Santos Pedro e Paulo. 

Já na carta enviada à Bartolomeu I há poucos dias, o Pontífice havia afirmado que a paz nasce da oração, e que sentiu "que teria tido um significado importante que alguns fragmentos das relíquias do apóstolo Pedro fossem colocados ao lado das relíquias do apóstolo André, que é venerado como padroeiro celeste da Igreja de Constantinopla”.

 

O Patriarca Ecumênico, por sua vez, em entrevista concedida à Andrea Tornielli às vésperas de sua viagem a Roma, disse ter ficado surpreso ao ter sido presentado pelo “nosso irmão Papa Francisco, “com tal tesouro”. “Nem mesmo a delegação do Patriarcado Ecumênico que estava em Roma para a festa patronal de nossa Igreja irmã esperava isso", assegurou Bartolomeu. "Geralmente esse tipo de evento é objeto de discussões protocolares. Não foi assim desta vez. Apreciamos com toda sinceridade este presente, que é a manifestação de uma espontaneidade, um sinal do verdadeiro amor fraterno que hoje une católicos e ortodoxos".

Bartolomeu I também falou na entrevista sobre três significados ecumênicos de tal gesto, entre eles, “o vínculo de fraternidade que une São Pedro e Santo André, padroeiro do Patriarcado Ecumênico” e a “busca da unidade e da comunhão”.

Ouça e compartilhe!
17 setembro 2019, 16:53