Cerca

Vatican News
O coral da Capela Sistina O coral da Capela Sistina 

Canta e caminha: as músicas que acompanham a caminhada de Francisco

Em entrevistas e encontros no decorrer desses anos de pontificado, Francisco mais de uma vez falou de seus gostos musicais. Mozart é o seu compositor preferido.

Bianca Fraccalvieri – Cidade do Vaticano

Lírica e milonga: dois gêneros musicais completamente diferentes, mas igualmente apreciados pelo Papa Francisco.

De fato, o gosto musical do Pontífice pode ser definido como eclético, desenvolvido a partir de duas influências marcantes: a da mãe e a de seu país natal.

Ouça a reportagem completa

"Não sei cantar, mas gosto de ouvir"

Em entrevistas e encontros no decorrer desses anos de pontificado, Francisco mais de uma vez falou de seus gostos musicais. Com a sua mãe, aprendeu a estimar a lírica.

“Não sei cantar, mas gosto de ouvir”, disse o Papa falando aos participantes do 40° Congresso Internacional dos “Pueri Cantores”, em dezembro de 2015.

“Quando eu era criança — nós somos cinco irmãos — quando éramos pequenos, a mãe, ao sábado, às duas da tarde, fazia-nos sentar diante do rádio para ouvir. E que ouvíamos? Todos os sábados era transmitida uma obra [lírica]. E a mãe ensinava-nos como era aquela obra, explicava: «Ouçam como canta...». E quando eu era criança sentia o prazer de ouvir cantar.

O canto educa a alma

Para Francisco, o canto educa a alma. “Santo Agostinho diz uma frase muito bonita. (…) Diz assim: «Canta e caminha». A vida cristã é um caminho, mas não é um caminho triste, é um caminho jubiloso.”

“Et Incarnatus est” da Missa em Dó menor de Mozart é a preferida do Papa. “É insuperável: leva-o a Deus! Mozart preenche-me: não posso pensá-lo, devo ouvi-lo”, disse em entrevista ao jornalista Antonio Spadaro no início do seu pontificado.

As Paixões de Bach também foram citadas por Francisco. A ária de que mais gosta é “Erbarme dich, mein Gott”. E definiu como “sublime” o pranto de Pedro da Paixão segundo São Mateus.

O ritmo que fazia o jovem Bergoglio dançar

Se de sua mãe aprendeu a apreciar a admirar a música clássica, suas raízes natais lhe deram o gosto pelo tango e pela milonga, como revelou no livro-entrevista “O Jesuíta”.

Ada Falcon é citada como uma de suas cantoras preferidas. Parente do tango é o estilo conhecido como milonga, que representa a contribuição dos afrodescendentes. O ritmo é menos nostálgico, deixando de lado a tristeza e acrescentando alegria e diversão. Era a milonga que fazia o jovem Bergoglio dançar.

Todas essas músicas podem ser ouvidas no programa “Porta Aberta” desta semana, que vai ao ar às quartas e domingos.

17 agosto 2019, 09:46