Cerca

Vatican News

Agradecimento do Papa às delegações da Bulgária e Macedônia do Norte

O Papa Francisco recebeu na manhã desta sexta-feira (24) as delegações da Bulgária e da Macedônia do Norte os dois países visitados de 5 a 7 de maio passado, na sua 29ª viagem apostólica

Cidade do Vaticano

Poucas semanas depois da 29ª viagem apostólica do Pontífice à Bulgária e Macedônia do Norte, Francisco recebeu em audiência as delegações dos dois países.

Ouça e compartilhe!

Em um comunicado aos jornalistas, o diretor “ad interim” da Sala de Imprensa do Vaticano, comunicou que o Papa agradeceu primeiro a delegação da Bulgária, recebida por ocasião da festa dos Santos Cirilo e Metódio, pela excelente acolhida durante a visita no país. Alessandro Gisotti comenta que o Papa ficou impressionado pelos idosos do país, pela consideração que recebem na sociedade búlgara. Isso – observou – é sinal de veneração da tradição que, afirmou, não é “custódia das cinzas, mas salvaguarda do fogo”, citando uma frase de Gustav Mahler.

Em seguida, o Papa declarou que ficou comovido por ocasião da Primeira Comunhão a 245 crianças em Rakovski. Por fim, saudando com particular afeto o Metropolita Antônio, manifestou palavras grande de estima pelo Patriarca Neofit, definido pelo Santo Padre um homem de fé, um homem bondoso e profundo.

Depois foi a vez de receber a delegação da Macedônia do Norte visitada em 7 de maio passado. O Papa agradeceu pela acolhida das autoridades e do povo durante a visita no país, recordando em particular a Missa em Skopje e a visita ao memorial de Madre Teresa de Calcutá. Também afirmou que lhe marcou muito o encontro com os jovens de várias religiões, um importante sinal de fraternidade. A Macedônia e seu povo, concluiu, historicamente, são a porta de entrada do Cristianismo na Europa.

A festa dos santos Cirilo e Metódio

Na Bulgária, 24 de maio é feriado nacional: é o Dia da Cultura e da Escritura eslava que coincide com a festa, entre as mais amadas pela comunidade eslava-ortodoxa, dos Santos Cirilo e Metódio, os irmãos de Tessalônica, estudiosos, teólogos e linguistas, que no início do século IX, evangelizaram os povos da Panônia e da Morávia, criaram o alfabeto eslavo e traduziram a esta língua a Escritura e também textos da liturgia latina. Estivem também em Roma para levar ao Papa as relíquias do Papa Clemente I, morto na Crimeia no ano 97 e venerado como santo. Nicolau I consagrou Metódio padre e aprovou a tradução da Bíblia em eslavo, desde que a leitura do trecho fosse precedida pelas mesmas passagens expressas em latim. Em 1980, São João Paulo II proclamou os santos apóstolos eslavos padroeiros da Europa.

24 maio 2019, 14:48