Cerca

Vatican News

Papa: igreja no Líbano dedicada a São João XXIII para testemunhar a paz

A igreja foi construída com a participação dos cristãos de todas as confissões junto com os muçulmanos xiitas e sunitas.

Cidade do Vaticano

“Que o novo local de culto seja um chamado constante a encontrar o Senhor na intimidade da oração para testemunhá-lo na vida cotidiana, tornando-se testemunhas de paz e fraternidade.”

Ouça e compartilhe

São os votos do Papa Francisco no telegrama, assinado pelo secretário de Estado Vaticano, cardeal Pietro Parolin, enviado ao Ordinário Militar, dom Santo Marcianò, nesta terça-feira (19/03), por ocasião da inauguração da igreja dedicada a São João XXIII e a  Maria Decor Carmeli, e dos centros pastorais, na base militar italiana Unp 2-3 de Shama, no Líbano. A inauguração foi realizada na tarde desta segunda-feira (18/03).

O Papa dirige seus “pensamentos auspiciosos” aos participantes, manifestando “apreço pela realização significativa”. “Com estes sentimentos, o Sumo Pontífice assegura sua oração e envia de bom grado uma especial bênção apostólica.”

A igreja foi construída com a participação dos cristãos de todas as confissões junto com os muçulmanos xiitas e sunitas.

Sessenta e cinco anos atrás, Giuseppe Roncalli, como legado pontifício, foi ao país para coroar “Maria Rainha do Líbano”, lembrando também a experiência de comunhão e paz feita naqueles dias com os patriarcas e bispos de vários ritos: maronitas, gregos, sírios, armênios, caldeus, coptas e latinos.

Responsabilidade de paz das Forças Armadas

“Hoje, o Papa João XXIII retorna ao Líbano como santo e padroeiro do Exército italiano. O Papa da paz vem a esta casa e quer nos fazer entender a responsabilidade de paz confiada às Forças Armadas”, disse o Ordinário Militar, dom Santo Marcianò, na homilia da missa de dedicação da igreja a São João XIII, no Líbano.

Segundo a Agência Sir, o arcebispo citou os “novos tipos de conflitos que exigem uma defesa internacional cada vez mais unida e competente”, mas “cada vez mais atenta a deter as lógicas do ódio e vingança, poder e opressão, exclusão e lesão da dignidade humana”.

Lógicas que, segundo dom Marcianò, são “capazes de inflamar tanto as guerras mundiais de ontem quanto as lutas internas, o crime e o terrorismo fundamentalista que hoje semeiam medo e morte”.

Recordando que São João XXIII foi capelão militar e núncio apostólico no Oriente, o arcebispo concluiu, dizendo que o Papa João XXIII “vem educar os nossos corações para que, como agentes de paz, possamos construir e indicar caminhos de reconciliação na convivência pacífica e ativa entre culturas, raças e religiões”.

19 março 2019, 12:50