Versão Beta

Cerca

Vatican News
Entrevista Papa a TV2000 Entrevista Papa a TV2000 

Papa na TV2000: Nossa Senhora não pode ser a mãe dos corruptos

"A oração pelos corruptos é que haja um terremoto que os mova a tal ponto que eles percebam que o mundo não começou com eles e não terminará com eles". Foi o que afirmou o Papa Francisco entrevistado pelo padre Marco Pozza no novo episódio do programa 'Ave Maria' transmitido pela TV2000, da igreja italiana.

Silvonei José - Cidade do Vaticano


O Papa Francisco aborda o tema dos corruptos no sétimo episódio do programa "Ave Maria" da TV200. "Se eu dissesse que não sou pecador, seria o mais corrupto", disse em resposta às perguntas de padre Marco Pozza.

Os corruptos

"Maria não pode ser a mãe dos corruptos, porque os corruptos vendem sua mãe - acrescenta o Papa -, vendem a pertença a um povo, vendem a pertença à família. Eles apenas buscam seu próprio lucro econômico, intelectual e político. Fazem uma escolha egoísta, eu diria satânica. Eles fecham a porta por dentro e Maria não pode entrar. Não deixam a mãe entrar ". "Por isso - explica - eles se fecham, não precisam de uma mãe, de um pai, de pertencer a um povo, a uma pátria, a uma família. Vivem no egoísmo e o pai disso, que lhes ensinou isso, é o diabo". A oração pelos corruptos, continua Francisco, "é que haja um terremoto que os mova de tal maneira que percebam que o mundo não começou com eles e não terminará com eles".

Maria acolhe a todos

No entanto, Nossa Senhora acolhe a todos. "Maria - explica ainda Francisco - acompanha o caminho de nós pecadores, cada um com seus pecados e intercede por nós pecadores. Devemos dizer a Maria: "Eu sou um pecador, mas a Senhora cuide de mim". E ela cuida de nós". Em seguida o Papa falou da sua infância. "Minha mãe, falando de nós, 5 filhos, dizia: 'Meus filhos são como os dedos da mão: eles são todos diferentes, mas se dou uma picada em um dos dedos, causa a mesma dor se dou uma picada em outro dedo'".

O programa da TV2000 inspirou o livro "Ave Maria", do Papa Francisco. Publicado por Rizzoli e pela Livraria Editora Vaticana, foi traduzido em 10 idiomas e está sendo publicado em 22 países.

27 novembro 2018, 13:57