Versão Beta

Cerca

Vatican News
Beato Giuseppe Toniolo Beato Giuseppe Toniolo 

Papa: de Toniolo, a urgência de novo compromisso social e político

Por ocasião de uma convenção no centenário de morte do beato Giuseppe Toniolo, o Papa Francisco enviou uma carta ao arcebispo de Milão, Dom Mario Delpini, onde faz votos de que os católicos italianos aprendam do "mestre" da doutrina social a superar "a tentação da indiferença" e o "risco da irrelevância", buscando "percursos unitários de orientações e propósitos".

Manuel Tavares - Cidade do Vaticano

O Santo Padre enviou uma Carta, assinada pelo secretário de Estado, Pietro Parolin, ao arcebispo de Milão Dom Mário Delfini, presidente do Instituto de Estudos Superiores Giuseppe Toniolo.

Por ocasião do centenário de morte do Beato Toniolo,  foi promovido neste sábado (24/11) na Universidade Católica do Sagrado Coração, em Milão, uma Conferência sobre o tema: “Economia e Sociedade pelo bem comum: a lição de Giuseppe Toniolo”.

Ouça e compartilhe!

A carta do Pontífice foi enviada ao arcebispo de Milão e aos participantes na conferência, em honra a esta figura exemplar de docente em economia e modelo de santidade leiga.

Inspiração para o compromisso social e político

 

Esta iniciativa é propícia – lê-se na Carta - para destacar, não apenas seus merecimentos históricos, mas a atualidade do Beato Toniolo, que extrai, do seu testemunho e do seu pensamento, nova inspiração para o compromisso social e político, do qual os católicos não podem se esquivar, se quiserem ser fiéis ao Evangelho.

De fato, este docente de Veneza, mas de Pisa por adoção, permanece um "mestre", em certo sentido, um "profeta". Os anos da sua existência (1845 e 1918) foram marcados por grandes mudanças, como o processo de industrialização, que suscitou o fenômeno do proletariado.

Abertura de horizontes

 

O Beato Toniolo – diz o texto – assumiu esta questão social como sua missão pessoal. No âmbito católico, este docente italiano liderou uma abertura de horizontes e um olhar iluminado nos processos sociais, culturais e econômicos. Seu rigor acadêmico, capaz de amar a verdade, a ponto de ir contracorrente, o ajudou a compreender o cerne da "questão social" da época.

Com efeito, Giuseppe Toniolo foi um incansável protagonista do compromisso social, mas também o criador de um plano de renovação global. Ao centro do seu projeto estava a visão de um encontro entre fé e cultura e o serviço aos católicos, criando um clima propício para iniciativas solidárias, como cooperativas de bancos populares e rurais.

Semanas Sociais

 

As “Semanas Sociais”, promovidas por Toniolo na Itália, em 1907, ainda em vigor, estimulavam a reflexão e o compromisso concreto, preparando os católicos a um compromisso político específico, mediante dois princípios complementares: a primazia da sociedade civil e o papel importante do Estado, segundo os critérios de subsidiariedade e solidariedade, pilares da Doutrina Social da Igreja.

Assim, Toniolo cultivou o ideal de uma sociedade verdadeiramente democrática, na qual se destacava o bem comum, em benefício dos mais pobres, com base nos valores evangélicos.

Sociedade de Santos

 

No auge da I Guerra Mundial, o professor Toniolo se pôs o problema de como garantir a paz. Por isso, pediu à Santa Sé para criar um laboratório de direito internacional, para conciliar os direitos das nações e da família humana universal, construir uma paz estável e real, por meio da integração e do respeito dos direitos humanos, com a superação do individualismo, com base no valor sagrado da a vida e o valor da família.

Arraigado neste humo espiritual, Toniolo fez o propósito de ser santo, ciente de que a salvação da sociedade estava ligada à santidade. Era necessário visar - como ele dizia - a uma "sociedade de santos".  

Cem anos após a sua morte – concluiu o Papa na carta - a situação na Europa e no mundo ainda é marcada por novos problemas, como a questão ambiental, o encontro entre povos e culturas, a urgente questão da migração.

A visão profética do Beato Toniolo ainda pode oferecer meios para o discernimento e compromisso. Neste sentido, o Santo Padre faz votos de que os católicos italianos possam aprender a lição e imitar o exemplo deste insuperável "mestre profético".

Com estes sentimentos, o Papa Francisco concede aos participantes e organizadores do Congresso, pelo Centenário de morte do Beato Toniolo, a sua propiciadora Bênção Apostólica.

24 novembro 2018, 13:47