Cerca

Vatican News
Papa Francisco durante encontro com os jovens no Circo Máximo, em Roma (11.08.2018) Papa Francisco durante encontro com os jovens no Circo Máximo, em Roma (11.08.2018)  (Vatican Media)

Papa apresenta livro sobre jovens: superar a distância de segurança

“Fala-se muito” de “jovens que não têm trabalho, que não fazem política, que não frequentam a Igreja” e que “se distanciaram”, acabando por serem considerados cada vez mais um problema do que um recurso, observa Francisco. É preciso superar a "distânia de segurança" entre jovens e adultos.

Cidade do Vaticano

A urgência de “ouvir ‘ao vivo’ as vozes” dos jovens, mesmo se “críticas e preocupantes”, levou o Papa Francisco a dedicar a eles um Sínodo dos Bispos. O próprio Pontífice reitera isso na apresentação do livro de Marco Pappalardo Caríssimo Bispo. 100 jovens escrevem e os Bispos respondem, na vigília da abertura do encontro sinodal, a realizar-se no Vaticano de 3 a 28 de outubro, com o tema “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional”.

Sempre mais sujeitos ativos e protagonistas

“A Igreja, e eu por primeiro, escolhemos colocar-nos em atitude de máximo acolhimento porque acreditamos que eles devem tornar-se sempre mais sujeitos ativos e protagonistas”, acrescenta o Papa.

Considerados cada vez mais um problema do que um recurso

Ademais, “fala-se muito” de “jovens que não têm trabalho, que não fazem política, que não frequentam a Igreja” e que “se distanciaram”, acabando por serem considerados cada vez mais um problema do que um recurso, observa Francisco.

Superar a distância de segurança entre jovens e adultos

Eis então a necessidade, segundo o Pontífice, de perguntar-se quais são “os motivos deste distanciamento”, conscientes de que para responder não bastam “as sondagens, os simpósios, os livros”, mas é preciso superar a “distância de segurança” entre jovens e adultos.

Porque “se um pequeno grupo de Bispos deixou-se envolver por 100 jovens que tiveram a coragem de dizer aquilo que pensam, poderemos fazer muito mais se colaborarmos todos”, conclui  Francisco.

(L'Osservatore Romano)

28 setembro 2018, 19:05