Versão Beta

Cerca

Vatican News
Papa com a cruz de madeira esculpida por queniano com deficiência auditiva Papa com a cruz de madeira esculpida por queniano com deficiência auditiva  (ANSA)

Papa ganha cruz de madeira esculpida por queniano

No Instituto de Bossey, o Papa Francisco recebeu do CMI uma cruz de madeira esculpida por um jovem queniano que sofre de surdez e tem dificuldades na fala. O escultor esculpiu na cruz três símbolos da deficiência: cegueira, física e surdez, para lançar um apelo aos cristãos para mudarem suas atitudes para com as pessoas com deficiência, "pois nós também somos criados à imagem de Deus", disse Okiki.

Cidade do Vaticano

Na troca de presentes no Instituto de Bossey, em Genebra, o Papa Francisco recebeu do CMI uma cruz esculpida em madeira, obra do queniano Karim Okiki, que perdeu sua capacidade de ouvir e falar quando era jovem. Ele entalhou na cruz três símbolos, que representam os cegos e deficientes visuais, os deficientes físicos e os surdos.

"Eu gostaria que esta cruz falasse ao Papa Francisco e às Igrejas do mundo todo sobre a necessidade de abraçar as pessoas com necessidades especiais, especialmente os surdos ou pessoas com alguma deficiência auditiva, como parte da igreja hoje", disse Okiki.

“Ter alguma necessidade especial faz parte da diversidade de Deus na criação”, explicou Okiki, 33 anos. No centro da cruz está o símbolo da língua de sinais para a inclusão de pessoas com deficiência em todos os aspectos da igreja e da sociedade.

"Apelo aos cristãos"

 

"Estou animado para fazer desta cruz não somente um presente, mas um apelo aos cristãos para mudarem suas atitudes para com as pessoas com deficiência, pois nós também somos criados à imagem de Deus", disse Okiki, que enfrentou a discriminação ao crescer.

“Quando eu tinha três anos, fiquei doente e fiquei no hospital por oito meses”, contou. “Quando deixei o hospital, perdi a capacidade de ouvir e falar. Não entendi porque não podia falar e ouvir como meus irmãos e outras crianças”.

O Okiki estava matriculado em escolas de surdos, não em escolas tradicionais, “embora eu desejasse frequentar as mesmas escolas com meus irmãos”. Ele não podia nem frequentar a escola dominical, o que o frustrou.

“Depois que a escola fechou, eu não tinha ninguém para brincar ou conversar, pois ninguém entendia a linguagem de sinais. Eu me senti discriminada e tinha baixa auto-estima. Ainda hoje enfrento estigma e discriminação”, lamentou.

Depois de concluir o ensino médio, a vida tornou-se mais positiva para ele, pois foi convidado para participar de um seminário de capacitação de jovens organizado por uma organização não-governamental conhecida como Sociedade Undugu do Quênia, em sua cidade natal.

A organização ficou impressionada com a capacidade do Okiki de se comunicar através da linguagem de sinais e o empregou como instrutor de linguagem de sinais em um de seus projetos em Nairobi.

Conhecer outras pessoas surdas

 

"Vir a Nairobi mudou completamente minha vida. Eu conheci outras pessoas surdas que me apresentaram a Emmanuel Church para surdos em Nairobi e eu comecei a ir à igreja ", eu expliquei.

Quando não estava trabalhando, eu ia à carpintaria e ajudava.

"Enquanto estive lá, desenvolvi um grande interesse em carpintaria e depois de dois anos de formação, juntamente com a minha amiga, utilizámos as nossas poupanças para abrir uma carpintaria em 2013. Hoje, esta loja é o meu meio de subsistência e tenho conseguido fornecer emprego para outras pessoas ", disse Okiki.

A sua carpintaria encontra-se numa área densamente povoada de Nairobi e emprega três jovens (dois homens e uma mulher), dois dos quais são surdos. Uma pessoa ouviu e serviu como elo entre a Okiki e seus clientes, por meio da interpretação da linguagem de sinais.

Disse Okiki: "A comunicação com meus clientes tem sido o maior desafio que enfrento no meu trabalho. Eu confio no intérprete de linguagem de sinais para me comunicar com os clientes ".

Na ausência do intérprete de língua de sinais, escreve ou usa linguagem corporal.

*Com informações do Conselho Mundial de Igrejas
 

21 junho 2018, 18:11