Versão Beta

Cerca

VaticanNews

Papa no Dia das Mães: Não somos órfãos!

No Dia das Mães, repropomos a catequese do Papa Francisco de 7 de janeiro de 2015, em que ele faz um agradecimento especial a Nossa Senhora, à Igreja e a todas as mães!

Bianca Fraccalvieri – Cidade do Vaticano

“Nós não somos órfãos, temos uma mãe! Nossa Senhora, a mãe Igreja e a nossa mãe. Não somos órfãos, somos filhos da Igreja, somos filhos de Nossa Senhora e somos filhos das nossas mães.”

Essas palavras do Papa Francisco foram pronunciadas na Audiência Geral de 7 de janeiro de 2015, e hoje as repropomos nesse Dia das Mães.

Pouco considerada

Naquela ocasião, o Pontífice fez sua catequese inteiramente dedicada às mães, no âmbito do ciclo sobre a família.

“Cada pessoa humana deve a vida a uma mãe, e quase sempre lhe deve muito da própria existência sucessiva, da formação humana e espiritual. Contudo, a mãe, embora seja muito exaltada sob o ponto de vista simbólico — muitas poesias, muitas coisas bonitas se dizem poeticamente sobre a mãe — é pouco escutada e pouco ajudada no dia-a-dia, pouco considerada no seu papel central na sociedade. Aliás, muitas vezes aproveita-se da disponibilidade das mães a sacrificar-se pelos filhos para ‘economizar’ nas despesas sociais”, denunciou o Papa.

Martírio materno

Francisco citou o futuro santo Oscar Arnulfo Romero, que dizia que as mães vivem um “martírio materno”. “Ser mãe não significa somente colocar um filho no mundo, mas é também uma escolha de vida. O que escolhe uma mãe, qual é a escolha de vida de uma mãe? A escolha de vida de uma mãe é a escolha de dar a vida. E isto é grande, é bonito.”

Para o Pontífice, uma sociedade sem mães seria uma sociedade desumana, porque as mães sabem testemunhar sempre, mesmo nos piores momentos, a ternura, a dedicação, a força moral.

Além disso, prosseguiu o Papa, as mães transmitem também o sentido mais profundo da prática religiosa: nas primeiras orações, nos primeiros gestos de devoção que uma criança aprende, está inscrito o valor da fé na vida de um ser humano. “Sem as mães, não somente não haveria novos fiéis, mas a fé perderia boa parte do seu calor simples e profundo.”

Não somos órfãos!

Francisco então concluiu:

“Queridas mães, obrigado, obrigado por aquilo que são na família, à Igreja e ao mundo. E a ti, amada Igreja, obrigado por ser mãe. E a ti, Maria, mãe de Deus, obrigado por nos fazer ver Jesus. E obrigado a todas as mães aqui presentes: vamos saudá-las com um aplauso!”

Ouça a reportagem com a voz do Papa Francisco
13 maio 2018, 08:36