Versão Beta

Cerca

Vatican News
Papa Francisco na esplanada de Tor Vergata no encontro com o Caminho Neocatecumenal Papa Francisco na esplanada de Tor Vergata no encontro com o Caminho Neocatecumenal 

Papa aos neocatecumenais: em seu DNA a vocação da missão

“Somente uma Igreja desvinculada do poder e do dinheiro, livre de triunfalismos e clericalismos testemunha de forma crível que Cristo liberta o ser humano", disse Francisco.

Cidade do Vaticano

O Papa Francisco encontrou-se com o Caminho Neocatecumenal, na manhã deste sábado (05/05), na esplanada de Tor Vergata, bairro situado na periferia de Roma, pelos seus 50 anos de fundação.

O encontro teve início às 11 locais, e Kiko Argüello, um dos fundadores do Caminho e responsável da equipe internacional, fez a introdução. O lugar escolhido para o local foi a área universitária de Tor Vergata, situada na periferia de Roma, em homenagem a São João Paulo II, que durante os seus 26 anos de pontificado acolheu e apoiou o Caminho. Em Tor Vergata foi celebrada a inesquecível Jornada Mundial da Juventude do ano 2000.

Depois de manifestar a sua alegria pelo encontro com os membros do movimento, o Papa ressaltou que “cinquenta é um número importante na Bíblia: no quinquagésimo dia, o Espírito do Senhor Ressuscitado desceu sobre os Apóstolos e mostrou ao mundo a Igreja.”

Amor e fidelidade

“Queridos irmãos e irmãs, no final vocês cantarão o Te Deum de ação de graças pelo amor e a fidelidade de Deus. É muito bonito isso: agradecer a Deus pelo seu amor e pela sua fidelidade. Muitas vezes, agradecemos pelos seus dons, por aquilo que nos dá, e isso é bom. Mas é ainda melhor dar graças a Deus pelo que Ele é, Deus fiel no amor. A sua bondade não depende de nós. Qualquer coisa façamos, Deus continua nos amando fielmente. Esta é a fonte de nossa confiança, o grande consolo da vida. Portanto, coragem, e nunca fiquem tristes. Quando as nuvens dos problemas forem pesadas em seus dias, recordem que o amor fiel de Deus brilha sempre, como o sol sem ocaso. Recordem sempre o seu bem, mais forte que todo mal, e a lembrança do amor de Deus os ajudará na angústia.”

O Papa agradeceu aos membros do Caminho Neocatecumenal que estão para ir em missão, para a evangelização, prioridade da Igreja hoje.

Missão é dar voz ao amor

“Missão é dar voz ao amor fiel de Deus, é anunciar que o Senhor quer o nosso bem e que nunca se cansará de nós, deste nosso mundo. Missão é doar aquilo que recebemos. Missão é cumprir o mandato de Jesus que ouvimos: “Ide, portanto, e fazei que todos as nações se tornem discípulos.”

“A missão requer a partida, mas na vida é forte a tentação de permanecer, de não correr riscos, de ter a situação sob controle. É mais fácil permanecer em casa, circundados por aqueles que nos querem bem, mas não é o caminho de Jesus. Ide: um chamado forte que ressoa em todos os cantos da vida cristã; um mandato claro a estar sempre em saída, peregrinos no mundo à procura do irmão que ainda não conhece a alegria do amor de Deus.”

Para anunciar é preciso renunciar

“Para anunciar é preciso renunciar. Somente uma Igreja que renuncia ao mundo anuncia bem o Senhor. Somente uma Igreja desvinculada do poder e do dinheiro, livre de triunfalismos e clericalismos testemunha de forma crível que Cristo liberta o ser humano. E quem, por amor, aprende a renunciar às coisas que passam, abraça este grande tesouro: a liberdade. Não tem apegos, sente que o coração se dilata, está disponível a Deus e aos irmãos.”

Jesus diz: “fazei que todos as nações se tornem discípulos”, ou seja, partilhem com os outros o dom que receberam, o encontro de amor que mudou a sua vida. O coração da missão é testemunhar que Deus nos ama e que com Ele é possível o amor verdadeiro, que doa a vida em todo lugar, na família, no trabalho, na consagração e no matrimônio. Missão é tornar-se discípulos com os novos discípulos de Jesus. É redescobrir parte de uma Igreja discípula. A Igreja é mestra, mas não pode ser mestra se antes não for discípula, assim como não pode ser mãe se antes não for filha.”

Caminho Neocatecumenal e seu DNA

“Eis a nossa mãe: uma Igreja humilde, filha do Pai e discípula do Mestre, feliz de ser irmã da humanidade. Esta dinâmica do discipulado, o discípulo que torna discípulos, é totalmente diferente da dinâmica do proselitismo.”

“Aqui está a força do anúncio, para que o mundo creia. Não contam os argumentos que convencem, mas a vida que atrai; não a capacidade de se impor, mas a coragem de servir. Vocês têm em seu “DNA” esta vocação de anunciar vivendo em família, seguindo o exemplo da Sagrada Família: em humildade, simplicidade e louvor. Levem esta atmosfera familiar a tantos lugares desolados e sem afeto. Sejam reconhecidos como amigos de Jesus. Sejam amigos de todos.”

“Queridos irmãos e irmãs, o seu carisma é um grande dom de Deus para a Igreja do nosso tempo. Demos graças a Deus por estes cinquenta anos. Olhando para a sua paterna, fraterna e fidelidade amorosa, nunca percam a confiança. Ele os protegerá, incentivando-os ao mesmo tempo a ir, como discípulos amados, a todos os povos, com simplicidade humilde.”

Festa da fé

Os membros do Caminho Neocatecumenal vieram de 134 nações onde o movimento está presente, junto com 16 cardeais e 90 bispos de várias partes do mundo.

Durante o encontro, o Pontífice abençoou as cruzes e entregou aos responsáveis 34 novas missões ad gentes que levarão o Evangelho ao mundo.

Por fim, foi recordada Carmen Hernández uma das fundadoras do Caminho Neocatecumenal junto com Kiko Argüello, falecida em 19 de julho de 2016, em Madri, Espanha.

Papa encontra o Caminho Neocatecumenal

 

05 maio 2018, 14:40