Versão Beta

Cerca

Vatican News

Conhecimento e respeito recíproco para a verdadeira integração, diz Papa aos Rom e Sinti

Recorre este 8 de abril o Dia Mundial dos Rom, Sinti e Nômades. Muitos estavam presentes na Praça São Pedro durante a Missa no Domingo da Misericórdia.

Cidade do Vaticano

Depois de felicitar os "irmãos e irmãs das Igrejas Orientais" pelas comemorações da Páscoa no Regina Coeli deste Domingo da Misericórdia, o Papa Francisco também dirigiu uma saudação aos representantes dos povos Rom e Sinti presentes na celebração, pelo transcurso do seu Dia Mundial, o “Romanò Drives”, celebrado hoje:

Desejo paz e fraternidade aos membros destes povos antigos, e faço votos de que o dia de hoje favoreça a cultura do encontro, com a boa vontade de conhecer-se e respeitar-se reciprocamente. É este o caminho que leva a uma verdadeira integração. Queridos Rom e Sinti, rezem por mim e rezemos juntos pelos vossos irmãos refugiados sírios”.

Combater o preconceito

 

Trabalhar para que os muros da indiferença, da suspeita, dos preconceitos subjacentes à discriminação sejam quebrados. O Papa Francisco repetiu estas palavras várias vezes em encontros com os Roma, os Sinti e os caminhantes.

O "Roman Dives" é comemorado em todo o mundo

 

Todo dia 8 de abril comemoramos o Dia Mundial dos Rom, Sinti e Nômades, pois em 1971 foi comemorado o histórico I Congresso Mundial do povo cigano perto de Londres. Uma reunião que viu juntos intelectuais e políticos de origem cigana, representando vários países europeus. Desde então, um longo caminho foi feito, mas os preconceitos contra esse povo continuam fortes.

Os ciganos mais vulneráveis

 

O Papa Francisco, desde o início de seu magistério, recordou em diversas ocasiões que os Rom são "os mais vulneráveis" e que se deveria trabalhar pela "integração e promoção da pessoa".

No encontro com os participantes na peregrinação do povo cigano, em 26 de outubro de 2015 - para comemorar o 50º aniversário da histórica da visita do Papa Paulo VI ao acampamento de nômades Pomezia - o Pontífice destacou que os preconceitos devem ser dissipados, e que “ninguém deve se sentir isolado, ninguém está autorizado a pisar na dignidade e nos direitos dos outros ".

O abraço do papa aos nômades de Pietralata

 

Uma mensagem que o Papa Francis levou com a sua presença e sua proximidade com os muitos nômades, refugiados, sul-americanos e ucranianos que vivem dentro do campo Pietralata, em Roma. Uma etapa que precedeu sua visita à paróquia de São Miguel Arcanjo, em 8 de fevereiro de 2015.

 

 

08 abril 2018, 13:07