Versão Beta

Cerca

VaticanNews
Papa Francisco recebeu a Família Monfortina, esta sexta-feira, no Vaticano Papa Francisco recebeu a Família Monfortina, esta sexta-feira, no Vaticano  (Vatican Media)

Exortação à Família Monfortina: ame com o coração e com as mãos

O Papa recebeu a Família Monfortina à qual recomendou retornar aos alicerces lançados, há mais de 300 anos, pelo Fundador, São Luís Maria Grignion de Montfort.

Cidade do Vaticano

O Santo Padre concluiu suas atividades, na manhã desta sexta-feira (27/4), no Vaticano, recebendo na Sala Clementina, 90 participantes do Capítulo Geral dos Irmãos de São Gabriel, Congregação fundada por São Luís Maria Grignion de Montfort, além de outros membros da mesma Família: os Missionários Monfortinos, as Filhas da Sabedoria, como também as Irmãs de São José de Kottayam.

Em seu discurso aos presentes, por ocasião do 32° Capítulo Geral dos Irmãos de São Gabriel, o Papa recomendou a retornar aos alicerces lançados, há mais de 300 anos, pelo Fundador, cuja festa litúrgica ocorre neste sábado (28/4):

Um destes alicerces é a “Palavra de Deus”, que deve ser meditada, constantemente, para que seja encarnada na vida e modelada segundo os pensamentos e gestos de Cristo. O outro é a “Sabedoria”, cujo amor e incessante busca inspiraram as páginas iluminadas de São Luís de Montfort. Colocando em prática seus conselhos, vocês poderão discernir os desafios, partindo sempre de Cristo e do seu Fundador”.

A seguir, citando o tema do Capítulo “Vida fraterna e dimensão comunitária da missão Monfortina”, Francisco disse que se trata de um objetivo providencial, que situa a sua missão no nosso mundo, marcado pelo individualismo, globalização, consumismo, eficiência e aparências. Vocês devem estar presentes neste mundo como “almas de fogo”, animadas pelo Espírito e pela Sabedoria. E o Papa explicou:

Segundo São Luís Montfort, esta é a única riqueza, capaz de ensinar-nos a “ser”; é um apelo a cada um de vocês e à sua missão de educadores, que se baseia na certeza da beleza da vida e da esperança; é uma síntese que se constrói, dia a dia, na oração, na docilidade ao Espírito, na fidelidade à sua Regra de vida e na caridade concreta. Tudo isso sob a imitação do exemplo perfeito da Virgem Maria”.

Depois, Francisco recordou que a vida fraterna dá testemunho, atrai, evangeliza e contagia. Em todas as suas comunidades e nos grupos de trabalho, a fraternidade estimula à disponibilidade. A atenção ao irmão e o diálogo favorecem a comunhão na diversidade. Por isso, o Papa exortou a Família Monfortina a formar uma comunidade acolhedora, manifestando, sobretudo aos jovens, a alegria de seguir a Cristo e a responder à sua chamada:

Amem com o coração e com as mãos: é o que vocês aspiram a viver e a transmitir. Somente a civilização do amor poderá dar alma ao nosso mundo globalizado em contínuas mudanças. Mediante o seu carisma, vivido com dedicação e sabedoria, vocês podem ser faróis, colocando em evidência o caráter evangélico da missão educativa. O Evangelho exige vida e ação! Aprendamos de Jesus, verdadeira Sabedoria, a acolher o outro, sobretudo se for diferente e de outra cultura ou geração”.

Por fim, o Santo Padre ponderou: “Os desafios da transmissão da fé e da vida comunitária devem ser encarados com criatividade, por meio da pedagogia e dos projetos educacionais e sociais. Ao centro da sua missão sempre esteve a particular atenção aos pobres e marginalizados”. Assim, Francisco encorajou os membros da Família Monfortina a continuar a ajudá-los “para que sejam protagonistas do seu futuro e ocupem seu lugar próprio na sociedade.

27 abril 2018, 13:11