Versão Beta

Cerca

Vatican News
Missa do Papa em Molfetta, na Puglia (20-04-2018) Missa do Papa em Molfetta, na Puglia (20-04-2018)  (Vatican Media)

Papa em Bari: D. Cacucci, "envolver povos na realidade médio-oriental"

Creio que o esforço do Papa por este dia de reflexão e oração vá na direção de envolver os povos na realidade médio-oriental, que, do contrário, corre o risco de ser gerida apenas pelos poderes políticos, diz o arcebispo de Bari-Bitonto.

Cidade do Vaticano

Em 7 de julho próximo o Papa Francisco irá a Bari, sul da Itália, para um dia de reflexão e oração pelo Oriente Médio. “Na iniciativa querida pelo Santo Padre não há somente o aspecto religioso e ecumênico, mas também político, no sentido mais alto do termo.”

Dia de reflexão e oração pelo Oriente Médio

É o que afirma o arcebispo de Bari-Bitonto, Dom Francesco Cacucci, em entrevista à agência Sir sobre a visita do Pontífice para este dia de reflexão e de oração, para a qual o Santo Padre convidará os chefes de Igrejas e Comunidades cristãs da região da Puglia.

Político e religioso: dois aspectos que estão juntos

“O encontro de julho não será um encontro ad intra entre as Igrejas cristãs, mas um dia cuja atenção estará voltada para o cenário doloroso da religião médio-oriental, onde há guerras e mártires cristãos. Dois aspectos que estão juntos: político e religioso” – ressalta o prelado.

Bari, vocação ecumênica consolidada

“A vocação ecumênica tem raízes bastante sólidas em Bari. Não nos esqueçamos que em 1987 realizou-se aqui a Comissão mista católica-ortodoxa e que, desde 1969, Bari foi a primeira realidade onde foi aberta uma capela ortodoxa numa cripta católica, dedicada a São Nicolau. A vocação ecumênica de Bari, em nome de São Nicolau, é consolidada. Creio que isto tenha determinado a escolha do Santo Padre”, explica o arcebispo.

 

Envolver os povos na realidade médio-oriental

Para Dom Cacucci, “o ecumenismo do povo é um elemento central: se se limita apenas ao trabalho das Comissões teológicas – disse mais vezes o Patriarca Kirill – não será possível ir longe. Creio que o esforço do Papa por este dia de reflexão e oração vai nessa direção: envolver os povos numa realidade, a realidade médio-oriental, que, do contrário, corre o risco de ser gerida apenas pelos poderes políticos”.

Atenção para com os próprios irmãos e irmãs cristãos

“O ecumenismo do sangue, do qual o Papa fala constantemente”, conclui o arcebispo, “é o ecumenismo dos mártires. Nada aproxima mais os cristãos do que a atenção para com os próprios irmãos e as irmãs que são vítimas de perseguições.

26 abril 2018, 17:47