Versão Beta

Cerca

Vatican News
Da sacada central da Basílica de São Pedro, o Papa concedeu à cidade e ao mundo a bênção Urbi et Orbi Da sacada central da Basílica de São Pedro, o Papa concedeu à cidade e ao mundo a bênção Urbi et Orbi 

Papa: "Jesus está nas crianças de todo o mundo"

Em sua mensagem de Natal, o Papa Francisco mencionou uma série de situações da atualidade em que podemos identificar Jesus

Cristiane Murray – Cidade do Vaticano

Dia de Natal, tradição mantida no Vaticano: da sacada central da Basílica de São Pedro, o Papa Francisco pronunciou na manhã desta segunda-feira (25/12) a sua mensagem de Natal e concedeu à cidade e ao mundo a benção Urbi et Orbi.

A seu  lado, os Cardeais Leonardo Sandri, Prefeito da Congregação para as Igrejas Orientais, e Prosper Grech, O.S.A., Consultor da Congregação para a Doutrina da Fé, que proferiram a fórmula da indulgência plenária com as condições definidas pelo direito canônico.

O amor de Deus e a comoção pelo dom de seu Filho

“Jesus nasceu por um dom de amor de Deus Pai, que ‘tanto amou o mundo, que lhe entregou o seu Filho Unigênito’ e isto nos enche de comoção porque é demasiado grande a ternura do nosso Pai”, iniciou o Papa dirigindo-se à multidão que desde as primeiras horas da manhã tomou a Praça São Pedro.

“Hoje, enquanto sopram no mundo ventos de guerra e um modelo de progresso já ultrapassado continua a produzir degradação humana, social e ambiental, o Natal lembra-nos o sinal do Menino, convidando-nos a reconhecê-Lo no rosto das crianças, especialmente daquelas para as quais, como aconteceu a Jesus, ‘não há lugar na hospedaria’”.

Reconhecer Jesus na realidade de hoje: Oriente Médio, Ásia e África

O Papa listou uma série de situações da atualidade em que podemos identificar Jesus:

confira

“Vemos Jesus nas crianças do Oriente Médio, que continuam a sofrer pelo agravamento das tensões entre israelenses e palestinos”; disse, pedindo orações pelo diálogo que conduza à coexistência pacífica de dois Estados dentro de fronteiras mutuamente concordadas e internacionalmente reconhecidas.

“Vemos Jesus no rosto das crianças sírias, ainda feridas pela guerra que ensanguentou o país nestes anos; nas crianças do Iraque, ainda contuso e dividido pelas hostilidades que o afetaram nos últimos quinze anos; e nas crianças do Iêmen, onde perdura um conflito em grande parte esquecido, mas com profundas implicações humanitárias sobre a população que padece a fome e a propagação de doenças”.

“Vemos Jesus nas crianças da África, sobretudo nas que sofrem no Sudão do Sul, na Somália, no Burundi, na República Democrática do Congo, na República Centro-Africana e na Nigéria. Vemos Jesus nas crianças de todo o mundo, onde a paz e a segurança se encontram ameaçadas pelo perigo de tensões e novos conflitos”.

Coreia, Venezuela, Ucrânia

Foram também mencionadas as situações conflituosas na península coreana, na Venezuela, e as violências na Ucrânia.  E as crianças vítimas de realidades sociais difíceis:

A infância subtraída

“Vemos Jesus nas crianças cujos pais não têm emprego e naquelas cuja infância foi roubada, obrigadas a trabalhar desde tenra idade ou alistadas como soldados por mercenários sem escrúpulos; vemos Jesus nas inúmeras crianças forçadas a deixar o seu país, viajando sozinhas em condições desumanas, presa fácil dos traficantes de seres humanos”.

Direito de dignidadedas minorias

Francisco chamou ainda a atenção para o drama dos migrantes que colocam a vida em risco, enfrentando viagens extenuantes que por vezes acabam em tragédia, e voltou com o pensamento à sua recente viagem a Mianmar e  Bangladesh:

“Espero que a Comunidade Internacional não cesse de trabalhar para que seja adequadamente tutelada a dignidade das minorias presentes na região. Jesus conhece bem a tribulação de não ser acolhido e a dificuldade de não ter um lugar onde poder reclinar a cabeça".

“ Que o nosso coração não fique fechado como ficaram as casas de Belém ”

E antes de conceder a bênção apostólica, dirigiu um pedido final:

“Como a Virgem Maria e São José, como os pastores de Belém, acolhamos no Menino Jesus o amor de Deus feito homem por nós e comprometamo-nos, com a sua graça, a tornar o nosso mundo mais humano e mais digno das crianças de hoje e de amanhã”.

Bom Natal a cada um de nós

Antes de se despedir, Francisco enviou seus votos de Boas Festas a todos os irmãos e irmãs na Praça e àqueles unidos nos vários países através do rádio, televisão e outros meios de comunicação.

“Que o nascimento de Cristo Salvador renove os corações, suscite o desejo de construir um futuro mais fraterno e solidário, conceda alegria e esperança a todos. Feliz Natal!”.

compartilhe
25 dezembro 2017, 11:12