Versão Beta

Cerca

Vatican News
Papa Francisco visita a sede da FAO em Roma por ocasião do Dia Mundial da Alimentação Papa e Graziano Neto observam estátua doada pelo Pontífice à FAO, retratando o drama dos refugiados  (ANSA)

O presente do Papa à FAO

O Papa Francisco visitou a sede da FAO em Roma, no Dia Mundial da Alimentação. Foi recebido pelo seu Diretor, o brasileiro José Graziano Neto.

Cidade do Vaticano

“Mudar o futuro da emigração. Investir na segurança alimentar e no desenvolvimento rural”. Este foi o tema do pronunciamento do Papa Francisco na abertura do Dia Mundial da Alimentação, que como ocorre anualmente, é celebrado em 16 de outubro na sede da FAO, em Roma.

Papa Francisco visita a sede da FAO em Roma

O Pontífice chegou pontualmente às 9 horas na sede da FAO em Roma e inaugurou a estátua que representa o menino sírio de 3 anos, Aylan Kurdi, afogado em uma praia de Bodrum, na Turquia, e que se tornou um símbolo do drama dos refugiados de todo o mundo. Junto a ele, um anjo que olha para o alto, chorando.

A obra do artista trentino Luigi Prevedel, em mármore carraca, foi presenteada ao Papa durante uma Audiência Geral. Francisco, por sua vez, decidiu doá-la à FAO.

O Pontífice foi acolhido pelo Diretor Geral da FAO, o brasileiro José Graziano da Silva, pelo Comissário Europeu para a Agricultura e o Desenvolvimento Rural, Phil Hogan, por diversos Ministros da Agricultura do G7, o Diretor do IFAD, Gilbert Hounbo e o Diretor executivo do PAM, David Beasly.

O Primeiro a se pronunciar foi Graziano Neto, que deu as boas-vindas ao Papa e fez referência à estátua do pequeno Aylan.

 O Dia Mundial da Alimentação realiza-se “no contexto de um mundo onde milhões de pessoas são obrigadas a fugir de suas casas – o maior êxodo desde a II Guerra Mundial, sublinha a FAO – por causa das guerras e instabilidades políticas”.

À este cenário somam-se a fome, “em aumento pela primeira vez em decênios”, “a pobreza” e “eventos meteorológicos extremos”, em aumento devido “às mudanças climáticas”.

A atenção maior para sair desta espiral negativa é investir nos jovens, para que não sejam obrigados a fugir de seus países e juntos apoiar o desenvolvimento de áreas rurais, como sugere o Relatório 2017 sobre o estado da alimentação e da agricultura apresentado recentemente pela FAO.

Até 2030, os jovens com idades entre 15 e 24 anos serão 1,3 bilhões, aumentando em cerca de 100 milhões, especialmente nas áreas rurais da África Subsaariana, as mais pobres do planeta.

O Relatório sublinha como as mudanças nas economias rurais podem ter um grande impacto para sair da pobreza, como demonstrado a partir dos anos 90. (JE)

José Graziano Neto fala sobre o pequeno Aylam, símbolo do drama dos refugiados

 

16 outubro 2017, 11:40