Busca

Vatican News

O Papa: o diabo quer destruir a Igreja por inveja com poder e dinheiro

Na missa na Santa Marta, Francisco recordou a memória de Santa Luísa de Marillac e rezou pelas religiosas vicentinas que administram o dispensário pediátrico no Vaticano. Na homilia, afirmou que o Espírito Santo faz a Igreja crescer, mas por outro lado, existe o espírito mau que procura destruí-la: é a inveja do diabo que usa o poder e o dinheiro mundanos para esse fim. A confiança do cristão está em Jesus Cristo e no Espírito Santo.

VATICAN NEWS

Francisco presidiu a missa na Casa Santa Marta no sábado (09/05) da quarta semana da Páscoa. Na introdução, recordou a memória de Santa Luísa de Marillac, rezando pelas religiosas vicentinas que ajudam o Papa e pelos que vivem na Casa Santa Marta e administram o dispensário pediátrico situado no Vaticano. As irmãs que trabalham na Casa Santa Marta pertencem à Congregação das Filhas da Caridade, congregação fundada por Santa Luísa de Marillac, pertencente à família vicentina. Um quadro representando a santa foi levado para a capela. Esta é a intenção de hoje do Papa:

Hoje recordamos Santa Luísa de Marillac: rezamos pelas irmãs vicentinas que levam adiante este ambulatório, este hospital há quase 100 anos e trabalham aqui, na Santa Marta, para este hospital. O Senhor abençoe as religiosas.

A oração do Papa

Na homilia, o Papa comentou a passagem dos Atos dos Apóstolos (Atos 13, 44-52), em que os judeus de Antioquia “cheios de inveja e com palavras ofensivas” contrariam as afirmações de Paulo sobre Jesus que dão tanta alegria aos pagãos e provocam as mulheres da nobreza e os notáveis da cidade, suscitando uma perseguição que obriga Paolo e Barnabé a deixarem o território.

Francisco recordou o Salmo que foi lido: “Cantai ao Senhor um canto novo, porque ele fez prodígios! Sua mão e o seu braço forte e santo alcançaram-lhe a vitória. O Senhor fez conhecer a sua salvação, aos olhos do povo, revelou a sua justiça”. “O Senhor”, disse ele, “fez maravilhas. Mas quanto esforço! Quanto esforço para as comunidades cristãs levarem adiante essas maravilhas do Senhor. Ouvimos a alegria na passagem dos Atos dos Apóstolos: toda a cidade de Antioquia se reuniu para ouvir a Palavra do Senhor, porque Paulo, os apóstolos pregaram com força, e o Espírito os ajudava. Mas quando viram aquela multidão, os judeus ficaram cheios de inveja e com palavras ofensivas, contrariaram as afirmações de Paulo”.

Ouça e compartilhe

“Por um lado, há o Senhor, há o Espírito Santo que faz a Igreja crescer, e sempre cresce mais: isso é verdade. Mas por outro, há o espírito mau que procura destruir a Igreja. É sempre assim. Sempre assim. Se vai adiante, mas depois vem o inimigo procurando destruir. O balanço é sempre positivo a longo prazo, mas quanto esforço, quanta dor, quanto martírio! E o que aconteceu aqui, em Antioquia, acontece em todo lugar no Livro dos Atos dos Apóstolos.”

“Por um lado”, observou o Papa, “a Palavra de Deus” que faz crescer e “por outro lado, a perseguição”. “Qual é o instrumento do diabo para destruir o anúncio do Evangelho? É a inveja. O Livro da Sabedoria fala claro: “O pecado entrou no mundo pela inveja do diabo”, inveja, ciúme... Sempre esse sentimento amargo, amargo. Essas pessoas viram como se pregava o Evangelho e ficaram com raiva, roeram o fígado de raiva. E essa raiva os levou adiante: é a raiva do diabo, é a raiva que destrói, a raiva do “Crucifica-o, crucifica-o!”, da tortura de Jesus. Ele quer destruir. Sempre. Sempre.”

“A Igreja”, recordou Francisco, “segue em frente entre os consolos de Deus e as perseguições do mundo. Uma Igreja “que não tem dificuldades falta alguma coisa” e “se o diabo está tranquilo, as coisas não vão bem. Sempre existe a dificuldade, a tentação, a luta... a inveja que destrói. O Espírito Santo faz a harmonia da Igreja e o espírito mau destrói, até hoje. Sempre essa luta”. “O instrumento dessa inveja”, observou o Papa, “são os poderes temporais. Nessa passagem se diz que “os judeus provocaram as mulheres da nobreza”. Foram a essas mulheres e disseram: “Esses aí são revolucionários. Mandem eles embora”. E “as mulheres falaram com as outras e os mandaram embora. As mulheres piedosas da nobreza... E também os notáveis da cidade: eles vão ao poder temporal e o poder temporal pode ser bom, as pessoas podem ser boas, mas o poder como tal é sempre perigoso. O poder do mundo contra o poder de Deus movem tudo isso e sempre por trás disso, do poder, está o dinheiro”.

“O que acontece na Igreja primitiva”, disse o Papa, ou seja, “a obra do Espírito para construir a Igreja, para harmonizar a Igreja e a obra do espírito mau para destruí-la, o recurso aos poderes temporais para deter a Igreja, destruir a Igreja, é apenas um desenvolvimento do que acontece na manhã da ressurreição. Os soldados, vendo esse triunfo, foram até os sacerdotes e compraram a verdade... os sacerdotes. E a verdade foi silenciada. Desde a primeira manhã da ressurreição, triunfo de Cristo, existe essa traição, este silenciar a palavra de Cristo, silenciar o triunfo da ressurreição com o poder temporal: os chefes dos sacerdotes e o dinheiro”.

O Papa concluiu com uma exortação: “Estejamos atentos, estejamos atentos com a pregação do Evangelho” para nunca cair na tentação “de confiar nos poderes temporais e no dinheiro. A confiança dos cristãos está em Jesus Cristo e no Espírito Santo que Ele enviou e o Espírito Santo é o fermento, é a força que faz a Igreja crescer. Sim, a Igreja vai adiante, em paz, com resignação, alegre: entre os consolos de Deus e as perseguições do mundo”.

O Papa convidou a fazer comunhão espiritual com esta oração:

Meu Jesus,

Eu creio que estais presente

no Santíssimo Sacramento do Altar.

Amo-vos sobre todas as coisas,

e minha alma suspira por Vós.

Mas como não posso receber-Vos

agora no Santíssimo Sacramento,

vinde, ao menos espiritualmente,

ao meu coração.

Abraço-me convosco come se já

estivésseis comigo:

uno-me Convosco inteiramente.

Ah! Não permitais que torne a

Separar-me de vós!

O Papa Francisco concluiu a celebração com a adoração e a bênção eucarística. Antes de sair da capela dedicada ao Espírito Santo, foi entoada a antífona mariana “Regina caeli”, cantada no tempo pascal:

Rainha do Céu

Rainha dos céus, alegrai-vos. Aleluia!

Porque Aquele que merecestes trazer em vosso seio. Aleluia!

Ressuscitou como disse. Aleluia!

Rogai por nós a Deus. Aleluia!

D./ Alegrai-vos e exultai, ó Virgem Maria. Aleluia!

C./ Porque o Senhor ressuscitou, verdadeiramente. Aleluia!

Missa com o Papa Francisco na Casa Santa Marta - 09.05.2020
09 maio 2020, 09:50
Leia tudo >