Busca

Vatican News
O Presidente do Parlamento Libanês Nabih Berri preside  uma sessão parlamentar em Beirute O Presidente do Parlamento Libanês Nabih Berri preside uma sessão parlamentar em Beirute 

Líbano: novo governo tem 11 cristãos, 10 muçulmanos e 2 drusos

A única mulher a fazer parte da equipe do novo governo é a católica de rito latino Najla Riachi, ministra para a reforma da Administração. No Líbano, a presidência da República é ocupada por um cristão maronita, o Chefe de Governo é um muçulmano sunita e o presidente do Parlamento um muçulmano xiita.

O novo governo do Líbano, liderado pelo muçulmano sunita Najib Mikati, se prepara para obter o voto de confiança do Parlamento libanês nesta segunda-feira, 20 de setembro. Todas as principais forças políticas representadas no Parlamento (com exceção das Forças Libanesas, lideradas por Samir Geagea) garantiram seu apoio à nova estrutura de governo, que em sua composição reflete a variedade do "mosaico" libanês também do ponto de visão das pertenças confessionais.

Na equipe de governo, além do primeiro-ministro sunita Mikati e do vice-primeiro-ministro cristão greco-ortodoxo Saadeh al Shami, há 11 ministros cristãos, 9 ministros muçulmanos e dois ministros drusos.

Entre os ministros cristãos estão 5 maronitas, 2 greco-ortodoxos, 2 greco-católicos, um armeno-apostólico, uma católica de rito latino (a independente Najla Riachi, ministra para a reforma da Administração, que também é a única mulher cooptada para a equipe do governo). Entre os ministros muçulmanos, cinco são xiitas e quatro sunitas.

Entre as tarefas mais urgentes que o novo governo é chamado a enfrentar está a contenção do colapso econômico nacional e a disponibilidade em se tornar interlocutor das instituições financeiras internacionais, no período que separa o país das próximas eleições políticas, marcadas para 2022 .

Durante a homilia proferida durante a liturgia divina no domingo, 19 de setembro, o Patriarca Maronita Béchara Boutros Raï agradeceu à Divina Providência pelo fim da crise que deixou o país sem governo por treze meses.

O cardeal libanês fez votos de que o novo Executivo atue como uma equipe unida a serviço do país, destacando entre as prioridades a serem enfrentadas a necessidade de garantir a retoma do ano letivo, também através do apoio a ser prestado às escolas não estatais.

Menções críticas sobre a composição do novo governo foram expressas pelos bispos siro-católicos, que se reuniram na Assembleia sinodal de 12 a 18 de setembro em Harissa (Líbano), no Convento de Nossa Senhora da Libertação.

No comunicado divulgado no final da Assembleia Sinodal, presidida pelo Patriarca Ignace Youssif III Younan, os bispos siro-católicos, entre outras coisas, expressaram seu desapontamento com a "persistente marginalização" dos siríacos e da comunidade siro-católica na atribuição processos de altos cargos civis, observando que nenhum cristão sírio aparece entre os membros do novo governo.

O delicado sistema institucional libanês prevê que o cargo de Presidente da República seja confiado a um cristão maronita, enquanto o Chefe do Governo deve pertencer à comunidade muçulmana sunita e o Presidente do Parlamento deve ser de fé muçulmana xiita.

*Agência Fides

20 setembro 2021, 09:43