Busca

Vatican News
Beirute: recordação da explosão no porto Beirute: recordação da explosão no porto  (AFP or licensors)

Beirute, a recordação da explosão: “nunca esquecerei os gritos das pessoas”

Tony Mikhael, um empresário libanês da mídia, ficou ferido na explosão e recorda as casas destruídas e a dificuldade de encontrar um hospital. "Não seremos curados enquanto não houver justiça", diz ele, lembrando a solidariedade dos jovens, a esperança de renascimento para o país.

Michele Raviart – Vatican News

Beirute. 18.08h do dia 4 de agosto de 2021. A primeira explosão é como uma bomba, um rumor ao qual a capital libanesa está infelizmente acostumada após duas guerras civis. Pouco depois vem o segundo, ainda mais forte. A detonar são 2.750 toneladas de nitrato de amônia, aparentemente deixadas sem vigilância em um armazém no porto desde 2013. A onda destrutiva mata mais de duzentas pessoas, seis mil os feridos e 300 mil os desalojadoas.

Uma onda devastadora

"Eu estava na casa de meus amigos quando ouvi a primeira explosão", disse Tony Mikhael, um empresário libanês da mídia, ao Vatican News. "Pensamos que era um ataque aéreo ou uma bomba, porque infelizmente estamos acostumados a isto no Líbano há mais de quarenta anos. Olhei pela janela para ver se havia fumaça ou algo para ver, e depois veio a segunda explosão que foi enorme". "Toda a vidraça explodiu no meu rosto", lembra ele, "e a explosão me jogou contra a parede". Então eu corri e me escondi porque depois da explosão veio a pressão e o vento que varreu tudo. Escondi-me entre duas paredes de um corredor e vi que o sangue descia pela minha cabeça e mãos e depois desci as escadas porque todos os elevadores estavam fora de uso.

Hospitais também destruídos

As ruas do bairro Achrafieh, onde Mikhael se encontra, estão cheias de feridos e pessoas tentando acompanhá-los até o hospital vizinho de São Jorge. "Ali eu ouvi primeiro os gritos das pessoas, que não consigo esquecer", lembra, depois "os gritos vindos do pronto-socorro do hospital, que foi todo destruído". Os médicos gritavam: "vocês têm que ir a outro hospital! Vocês têm que ir para outro hospital! 'Eu tinha um carro estacionado por perto e graças a Deus funcionava. Fui a dois ou três outros hospitais à procura de alguém para me curar, até que consegui sair de Beirute e encontrei um pronto-socorro que me salvou".

Silos do porto ainda impróprios para uso

Um ano depois, as consequências da explosão ainda são uma ferida aberta na cidade de Beirute. Isto é simbolicamente demonstrado pela condição dos três silos de armazenamento de alimentos no porto, o maior do Oriente Médio e decisivo para o abastecimento do país, que é 85% dependente da importação de cereais. Eles ainda estão destruídos e inseguros, com 20.000 toneladas de grãos ainda espalhados pela área, apodrecendo entre os ratos. Um espelho da crise econômica que assola o país.

Entre a reconstrução e a busca de justiça

No entanto, a reconstrução, explica Mikheal, "está avançando bastante bem, embora a única coisa que nos fará curar é a justiça". Se não houver justiça, ninguém vai curar. Embora os edifícios tenham sido reconstruídos e as pessoas estejam voltando para suas casas destruídas, isto não nos curará se não houver justiça". O inquérito judicial para encontrar os responsáveis pelo desastre ainda está em andamento e o novo juiz encarregado da investigação, Tareq Bitar, ainda está tentando obter autorização para ouvir nove figuras de destaque do estabelecimento libanês, incluindo ex-ministros, generais e o primeiro-ministro que deixa o governo, Hassan Diab.

Um futuro de renascimento

Tanta, neste contexto, ainda é a ajuda mútua entre os cidadãos de Beirute, e em particular os jovens, que têm sido ativos desde o início. Esta é a única coisa que nos dá conforto no Líbano", sublinha o empresário: "é a solidariedade dos jovens libaneses que deixaram tudo - no ano passado estivemos sob o “lockdown” por causa da Covid-19 - e arriscaram suas vidas e as de seus parentes". “Eles foram para as ruas e foram os únicos que ajudaram os feridos e aqueles cujas casas foram destruídas. Isto nos dá muita esperança de que este país nasça de novo. Estes jovens, estes jovens fizeram de tudo para reconstruir e dar conforto a estas pessoas”.

05 agosto 2021, 10:56