Busca

Vatican News
Fórum Econômico de Davos Fórum Econômico de Davos  (AFP or licensors)

Teve início o Fórum Econômico de Davos: pandemia e crise em foco

Como todos os anos, o Fórum Econômico Mundial de Davos, Suíça, está de volta ao cenário internacional. É um fórum onde os líderes e especialistas do mundo discutem os desafios globais do momento. Este ano, a cúpula está sendo realizada, a partir desta segunda-feirae até 29 de janeiro, em modo virtual por causa da pandemia. Ao mesmo tempo, está sendo realizado em Ryad o chamado "Davos do deserto". Conosco o economista, Riccardo Moro.

Giancarlo La Vella, Silvonei José – Vatican News

A pandemia do coronavírus e suas conseqüências será sem dúvida o principal tema de discussão este ano no Fórum Econômico Mundial de Davos. No entanto, a cidade suíça não receberá nenhum participante este ano. As normas de segurança anti-Covid impõem um debate que será realizado à distância, mas não por isso menos aguardado e importante. Os líderes mundiais são chamados a fornecer respostas concretas sobre os temas quentes atuais, tais como a distribuição justa de vacinas, a contenção da pandemia diante do desenvolvimento de novas variáveis do vírus e como lidar com a crise econômica global.

Ouça e compartilhe

Davos e Ryad em escuta recíproca

No dia seguinte ao início do Fórum de Davos em Ryad começa outra importante cúpula, a quarta edição da Iniciativa de Investimento do Fundo, a chamada "Davos do deserto". Na edição de 2017, a primeira, 3.800 gerentes, empresários e representantes financeiros de 90 países se reuniram na capital do reino saudita e discutiram desenvolvimentos econômicos não apenas baseados no petróleo. Segundo o economista Riccardo Moro, é importante que os grandes do mundo, em vez de pensar na criação de um governo global dirigido por poucos, pensem em uma partilha de responsabilidades, especialmente diante do grande desafio da pandemia.

R. - Davos é um fórum onde diferentes vozes são ouvidas. Obviamente, não são tomadas decisões e normalmente representam as vozes dos países que têm mais poder no mundo. Não é visto com simpatia pela parte do mundo que tem mais dificuldades para enfrentar as crises, porque geralmente não é de fácil acesso. Entretanto, é um lugar onde se contribui para construir sensibilidades ou perspectivas. É muito difícil dizer se haverá resultados concretos. Acredito que este fórum e outros passos que ocorrerão nos próximos meses levarão a uma espécie de redesenho de equilíbrios internacionais.

No centro certamente estará a pandemia com suas consequências....

R. - Talvez haja, de fato, oportunidades para criar uma maior convergência. Espera-se que uma das questões mais importantes, isto é, tornar as vacinas um “global public good”, ou seja, um bem público global, ao qual se tem acesso por direito e não por renda, possa crescer. Sabemos muito bem que neste momento aqueles que podem pagar a vacina são os cidadãos dos países mais ricos, porque eles podem comprá-la. Deixando isso para o mercado, obtivemos que muitas empresas têm estado em concorrência. Portanto, tentamos uma produção eficiente com custos tão competitivos quanto possível, mas o fato é que os recursos públicos dos países mais ricos são capazes de comprar as doses, enquanto os recursos públicos dos países mais pobres estão lutando para isso. Na verdade, hoje temos vacinas nos países mais desenvolvidos e não no sul do mundo. Espero que este problema seja discutido no fórum virtual em Davos e que haja um esforço dos países mais ricos para reunir recursos, para que este acesso à vacina seja feito por direito e não por renda ou PIB.

Ao mesmo tempo com Davos está sendo realizado , o chamado "Davos do deserto". Será uma forma de diálogo à distância entre realidades diferentes, mas igualmente importantes?

R. - Isso é possível. Mesmo neste caso é difícil fazer previsões, mas acho que poderia ser uma oportunidade de abrir mais o nível de diálogo mesmo entre diferentes fóruns e diferentes áreas geográficas e geopolíticas.

Outras cúpulas também são realizadas, como a do Civil-20. Qual é a mensagem que pode vir desta outra cúpula?

R. - O Civil-20 é o encontro de todas as redes e sociedades civis do mundo que dialogam com o processo do G20. Ela se reúne durante três dias em modo virtual com a participação de mais de 400 membros de organizações de todo o planeta com uma demanda bastante exigente que convida os 20 países líderes a não se constituírem como uma espécie de governo do mundo, mas a fortalecer os processos multilaterais já existentes. Assim, em questões como a pandemia, fornecendo recursos e apoiando a Organização Mundial da Saúde; um foco nas questões climáticas, fortalecendo a implementação dos acordos de Paris; certamente com um foco e uma responsabilidade na forma como os 20 participam da agenda de 2030 e um compromisso financeiro adequado em particular sobre a questão da dívida. Hoje, com a crise da Covid-19, muitos países do Sul tiveram que arcar com as despesas necessárias endividando-se e assim aumentando sua dívida. É necessário que os 20 países, que estão entre os mais importantes, promovam uma iniciativa não apenas de suspensão, mas de cancelamento real.

 

25 janeiro 2021, 15:39