Busca

Vatican News
Igreja São João em Qaraqosh, na Planície de Nínive, tomada pelo Isis em 2014. Igreja São João em Qaraqosh, na Planície de Nínive, tomada pelo Isis em 2014. Graças à ajuda internacional, várias famílias cristãs já puderam voltar a suas casas  (AFP or licensors)

Apoio e possível ressarcimento a cristãos e yazidis refugiados no Curdistão

Em agosto de 2014, diante da avançada da facção Estado Islâmico, mais de 130 mil cristãos viram-se obrigados a fugir da Planície de Nínive. A maior parte deles buscou refúgio no Curdistão iraquiano. O governo local estuda ressarcir cristãos e yazidis, para que possam retornar às suas terras de origem.

Vatican News

Ouça e compartilhe!

As precárias condições dos refugiados cristãos e yazidis ainda deslocados nos territórios da região autônoma do Curdistão iraquiano esteve ao centro das conversações realizadas no domingo 26 de julho em Erbil, entre a ministra iraquiana dos imigrantes e deslocados internos - a cristã caldeia Evan Faeq Yakoub Jabro - e o presidente da região autônoma do Curdistão, o curdo Nechirvan Idris Barzani.

No encontro - refere um comunicado divulgado pela Presidência do Curdistão – foram examinadas as medidas adotadas para proteger os refugiados da pandemia do coronavírus, juntamente com os projetos iniciados para favorecer o retorno dos refugiados às regiões de origem, a partir de Planície de Nínive.

A esse respeito, a ministra e o presidente da Região do Curdistão, no decorrer dos colóquios, fizeram referência sobre possíveis formas de ressarcimento a serem propostas aos cristãos e yazidis, com o objetivo de incentivar seu retorno às áreas de origem das quais haviam fugido em 2014 em face do avanço das milícias jihadistas do autoproclamado Estado Islâmico (Daesh).

A ministra Evan Jabro confirmou sua intenção de lutar contra os projetos daqueles que querem tirar proveito dos movimentos migratórios e fugas em massa de cristãos e yazidis registrados durante a ocupação jihadista, para alterar de maneira permanente o equilíbrio demográfico da área e fazer desaparecer o perfil multiétnico e multirreligioso da Planície de Nínive.

A condição dos ex-refugiados cristãos que já retornaram a Mosul e à Província iraquiana de Nínive também este ao centro de uma nova reunião entre a ministra Evan Jabro e o arcebispo caldeu de Mosul, o dominicano Najib Mikhael Moussa.

Na Província de Nínive, a situação permanece incerta e tensa, também porque é caracterizada pela coexistência de forças armadas de diferentes origens, incluindo as milícias xiitas de mobilização popular e os Peshmerga curdos.

A professora Evan Jabro, conforme já relatado pela Agência Fides, tornou-se ministra de migrantes e refugiados no governo do primeiro-ministro iraquiano Mustafa al-Kadhimi em 6 de junho passado. Anteriormente, Evan Jabro havia trabalhado com a ONG Al-Firdaws, fundada por Fatima Al-Bahadly em 2003, e comprometida com o desenvolvimento de projetos sociais e de trabalhos voltados principalmente às mulheres e jovens. Evan Jabro também atuou como consultora do governador de Mosul em questões relativas às minorias.

 (GV - Agência Fides)

28 julho 2020, 13:59