Busca

Vatican News
Neste domingo (14), a celebração dos 80 anos do primeiro transporte de poloneses para Auschwitz Neste domingo (14), a celebração dos 80 anos do primeiro transporte de poloneses para Auschwitz   (ANSA)

Polônia: missa recorda primeira deportação de poloneses para Auschwitz há 80 anos

A data de 14 de junho na Polônia é celebrada como “Dia da Recordação Nacional das Vítimas dos Campos de Concentração e Extermínio da Alemanha Nazista”. Neste domingo, então, uma celebração eucarística na pequena vila de Harmęże, no distrito de Oświęcim, lembrou os 80 anos da primeira deportação para o campo de concentração de Auschwitz, quando 728 prisioneiros poloneses de Tarnów foram transferidos durante a ocupação alemã no país (1939-1945).

Vatican News

Ouça a reportagem e compartilhe

A Polônia recordou os 80 anos da primeira deportação para o campo de concentração de Auschwitz com um missa celebrada neste domingo, 14 de junho, mesmo dia da transferência de 728 prisioneiros poloneses de Tarnów para o complexo em 1940, durante a ocupação alemã no país (1939-1945). A celebração foi realizada no Centro São Maximiliano Kolbe, na pequena vila de Harmęże, no distrito de Oświęcim, região onde se encontrava o campo de concentração.

Segundo o comunicado da Conferência Episcopal da Polônia, participaram da missa o presidente do país, Andrzej Duda, outras autoridades e dois ex-prisioneiros de Auschwitz. Depois da celebração eucarística, foram depositadas coroas no campo de concentração e também sobre o Muro da Morte no pátio do Bloco 11.

O presidente do país, Andrzej Duda, também participou da celebração e depositou flores
O presidente do país, Andrzej Duda, também participou da celebração e depositou flores

Dia da Recordação das Vítimas dos Campos de Concentração

A data de 14 de junho na Polônia é celebrada como “Dia da Recordação Nacional das Vítimas dos Campos de Concentração e Extermínio da Alemanha Nazista”. Entre os prisioneiros poloneses de Tarnów daquela primeira deportação, em 1940, haviam soldados da “campanha de setembro”, membros de organizações clandestinas pela independência, estudantes de escolas superiores, alunos e um grupo de judeus poloneses. Desse grupo, 325 pessoas sobreviveram à guerra, 292 foram mortas e 111 não se conhece o destino até hoje.

No campo de concentração nazista alemão de Auschwitz-Birkenau, operativo entre 1940 e 1945, foram mortos mais de 1 milhão de judeus de toda a Europa, cerca de 150 mil poloneses, mais de 23 mil ciganos e milhares de pessoas de várias nacionalidades.

Vatican News - TC

15 junho 2020, 16:57