Busca

Vatican News
Migrantes na fronteira entre Grécia e Turquia Migrantes na fronteira entre Grécia e Turquia  (AFP or licensors)

Migrantes: tensões na fronteira entre Grécia e Turquia

Aumentam as tensões na fronteira entre a Grécia e a Turquia, onde estão se concentrando mais de 20 mil migrantes. Por trás, a decisão de Ancara que abrir suas portas à Europa

Cidade do Vaticano

Continuam os confrontos na fronteira entre a Grécia e a Turquia, onde milhares de migrantes estão concentrados, depois que Ancara abriu as fronteiras com a União Europeia e Atenas suspendeu por um mês os pedidos de asilo. Em Pazarkule e Kastanies os migrantes lançaram pedras contra a polícia grega, que respondeu com gás lacrimogêneo. 

Ouça e compartilhe!

Violência na fronteira

Desde que o presidente turco Recep Tayyip Erdogan decidiu abrir as portas do seu país à Europa, milhares de migrantes e refugiados dirigiram-se à fronteira com a Grécia, onde foram mobilizados um grande número de policiais e de soldados. Empurrados até a Grécia pelos turcos e devolvidos pelas forças gregas, os migrantes na sua grande maioria da Síria e Afeganistão, encontram-se totalmente desamparados. Como resultado desta tensão extrema, os incidentes se multiplicam: barcos improvisados os impedem de desembarcar, violências, intimidações.

Na Ilha de Lesbos

A explosiva situação aumentou a crise que há meses atinge a Ilha de Lesbos, visitada pelo Papa em 2016.  Na Ilha do Mar Egeu, situada a pouca distância da costa turca e portanto primeiro destino dos migrantes, encontra-se o acampamento de Moria, atualmente em uma situação completamente insalubre com uma superpopulação em relação à sua capacidade. Na semana passada, a decisão das autoridades gregas de fechá-lo e construir um maior no mesmo local, deu origem a violentas manifestações de alguns habitantes, cansados da situação que se tornou insustentável.

Depois do incêndio de um centro de triagem, a violência dirige-se agora contra os migrantes e os trabalhadores humanitários, ao ponto que estes últimos pensam em abandonar o serviço por causa da falta de segurança.

05 março 2020, 14:09