Busca

Vatican News
Crianças sírias Crianças sírias  (ANSA)

Apelo do Unicef e Pam: as crianças sírias precisam de paz

A escalada da violência na região do Idlib nos últimos três meses causou o deslocamento de mais de meio milhão de crianças, uma média de 6.000 por dia.

Silvonei José - Cidade do Vaticano

"Nove anos após o início do conflito, 5 milhões de crianças sírias ainda precisam de ajuda. Devemos ajudá-las a todo o custo". Foi o que disse a diretora geral do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), Henrietta Fore, após uma visita de dois dias a Gaziantep, Turquia, onde ela e David Beasley, diretor executivo do Programa Alimentar Mundial (Pam), visitaram uma escola, um centro de distribuição de alimentos e um campo para refugiados sírios em Kahramanmaras.

A escalada da violência na região do Idlib nos últimos três meses causou o deslocamento de mais de meio milhão de crianças, uma média de 6.000 por dia. Cerca de 180 escolas não estão funcionando porque foram destruídas, danificadas ou usadas como abrigos para famílias deslocadas.

Acampamento Kahramanmaras

No acampamento Kahramanmaras, Fore encontrou famílias que vivem na Turquia há anos e que, apesar de estarem seguras e bem estabelecidas, ainda sonham voltar para casa. O acampamento abriga atualmente mais de 11 mil pessoas, metade das quais crianças. No acampamento 3.700 crianças continuam a receber instrução e os jovens podem ter acesso a cursos de formação. “A Turquia tem acolhido generosamente milhões de crianças sírias desde que a guerra começou", disse Fore. É essencial continuar a fornecer esse apoio”.

Os dois chefes das agências da ONU também enfatizaram a necessidade de fornecer às famílias serviços básicos e uma melhoria em suas condições econômicas. A missão teve lugar durante uma perigosa escalada da violência no noroeste da Síria, enquanto o conflito está prestes a entrar no seu décimo ano, num país onde um terço da população vive na insegurança alimentar, uma em cada três crianças não vai à escola e mais da metade das instalações de saúde não funciona. A preocupação de Fore é com o sofrimento das crianças sírias e o impacto sobre elas "de uma guerra impiedosa por causa da qual continuarão a sofrer muito tempo depois do fim dos combates". "A todos os responsáveis por este fracasso coletivo na Síria digo: a história irá julagá-los severamente", alerta de Fore.

Nos últimos nove anos a jovem população síria conheceu apenas a guerra, os combates e os bombardeamentos, muitas vezes contra escolas e hospitais, muitas famílias viveram o drama da desintegração e foram perdidas jovens vidas.

Nove anos de guerra

Mais de nove anos de guerra levaram a economia síria ao colapso quase total, empurrando milhões de pessoas à fome e à insegurança alimentar. Isto também aconteceu em áreas distantes das linhas de frente. Lá também as famílias lutam para alimentar seus filhos e reconstruir suas vidas.

"Os milhões de pessoas que viram suas vidas destruídas pela guerra não podem mais pagar uma refeição regular, com o colapso da economia síria nos últimos meses", disse o diretor executivo do Pam, David Beasley. Para enfrentar esta emergência, "o Pam está fornecendo assistência alimentar a mais de 7,5 milhões de pessoas na Síria e países vizinhos, que de outra forma seriam deixadas a si mesmas. A Síria é um país destruído pela guerra e, mais do que qualquer outra coisa, as pessoas precisam desesperadamente de paz”.

 

10 março 2020, 09:26