Cerca

Vatican News
Atentado durante uma festa de casamento em Cabul com 63 mortos e 182 feridos Atentado durante uma festa de casamento em Cabul com 63 mortos e 182 feridos  (AFP or licensors)

Dia internacional dedicado às vítimas do terrorismo

Estabelecido em 2018, o Dia é celebrado em 21 de agosto de cada ano. As Nações Unidas convidam a comunidade mundial a observar esta comemoração

Andrea De Angelis, Silvonei José - Cidade do Vaticano

A Assembleia Geral da ONU, na sua Resolução 72/165, decidiu há dois anos proclamar o dia 21 de agosto Dia Internacional da memória e homenagem às vítimas do terrorismo, a fim de honrar e apoiar as vítimas e sobreviventes do terrorismo e de promover e proteger o pleno gozo dos seus direitos humanos e liberdades fundamentais. Ao proclamar este Dia, a Assembleia Geral reconhece que a promoção e a proteção dos direitos humanos e do estado de direito são essenciais para prevenir e combater o terrorismo.

A Mensagem do Secretário-geral

"O terrorismo em todas as suas formas e manifestações continua a ser um desafio global que causa danos permanentes aos indivíduos, famílias e comunidades. Estas cicatrizes são profundas e, embora possam desvanecer com o tempo, nunca desaparecem”. É quanto escreve na Mensagem para o Dia deste ano o Secretário-geral da ONU, Antonio Guterres. "Este Dia Internacional recorda-nos que, durante muito tempo após um ataque, as vítimas continuam a lutar contra as suas consequências. Vítimas e sobreviventes de todo o mundo devem ter a oportunidade de se recuperarem por meio da justiça e de medidas de apoio". "Apoiar as vítimas do terrorismo - escreve Guterres -, é uma das maneiras de honrar a nossa responsabilidade de defender seus direitos e a nossa humanidade comum. Ao ouvi-los, podemos também aprender muito sobre a melhor forma de unir as nossas comunidades contra o terrorismo”.

A estratégia global das Nações Unidas

A estratégia global antiterrorista das Nações Unidas, adotada pela Assembleia Geral em 8 de setembro de 2006, afirma que a desumanização das vítimas do terrorismo em todas as suas formas e manifestações cria um ambiente propício à propagação do terrorismo. Continuar a reforçar e a maximizar a capacidade das Nações Unidas em setores como a prevenção de conflitos, negociação, mediação, manutenção da paz e consolidação é, pois, a forma mais eficaz de respeitar a dignidade e, ao mesmo tempo, combater o terrorismo.

A resiliência das vítimas

O tema principal desta segunda edição é a resiliência das vítimas e suas famílias. Uma reflexão sobre como conseguiram transformar as suas experiências dolorosas, olhando não só para um caminho de cura e recuperação, mas também para um esforço comum para reforçar as estratégias de combate a todas as formas de terrorismo. Guterres inaugura hoje em Nova Iorque, na sede das Nações Unidas, uma exposição fotográfica apresentada pelo Escritório das Nações Unidas para a Luta contra o Terrorismo (UNOCT) e pelo Grupo de Amigos das Vítimas. Composta por testemunhos e histórias que mostram o caminho pessoal que estas pessoas enfrentam, quer evidenciar de forma plástica o renascimento daqueles que sofreram uma experiência dolorosa.

"Dezenas de milhares de vítimas todos os anos"

"A ONU é muito importante para essas pessoas, para ajudá-las a curar não apenas o corpo, mas também a mente. Com estas palavras Laura Quadarella Sanfelice de Monteforte, professora de Políticas contra o terrorismo na Universidade de Roma Niccolò Cusano, sublinha a importância deste Dia. Quanto ao número de vítimas do terrorismo, nos microfones da Rádio Vaticano Itália recorda que há dezenas de milhares todos os anos; uma parte muito pequena no Ocidente. A Síria, o Afeganistão, a Nigéria, a Somália e o Iraque são os países que, sozinhos, são responsáveis por mais da metade das vítimas.

 

21 agosto 2019, 16:46