Cerca

Vatican News
Parente de uma das vítimas desesperada, do lado de fora da prisão em Altamira Parente de uma das vítimas desesperada, do lado de fora da prisão em Altamira 

Presídio de Altamira: 57 mortos em rebelião

Pelo menos 57 presos morreram em confrontos em uma prisão de Altamira, município do Estado do Pará. Dezesseis deles foram decapitados. Uma briga entre organizações criminosas provocou a rebelião.

Altamira

Um porta-voz do sistema penitenciário local informou sobre "confrontos entre membros de facções rivais" e sobre dois guardas que foram feitos reféns e depois libertados.

Segundo a Susipe, a Superintendência dos Serviços Penitenciários do Estado, a revolta interna, que durou pelo menos 5 horas, eclodiu por volta das 7 da manhã, quando os detentos do bloco A, onde alguns membros de uma organização criminosa estão sob custódia, invadiram o lado vizinho onde se encontram presos membros de um grupo rival.

Depois do assalto, bloquearam as entradas e incendiaram o local. O fumo invadiu as celas e alguns prisioneiros morreram por asfixia.

A unidade prisional de Altamira tem capacidade para 200 reclusos, mas alberga atualmente 311 prisioneiros. Este é um dos maiores massacres em presídios em 2019. Em maio, 55 presos foram mortos em quatro diferentes presídios de Manaus, no coração do Estado do Amazonas. Em 3 de janeiro de 2017, 33 presos morreram na maior prisão de Roraima, Estado do Norte do país, na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo (Pamc), em Boa Vista. Também naquela ocasião, a maioria das vítimas foi decapitada.

29 julho 2019, 19:51