Versão Beta

Cerca

Vatican News
Caso Alfie Evans: cresce rede de orações e iniciativas Caso Alfie Evans: cresce rede de orações e iniciativas  (AFP or licensors)

Corte Suprema da Inglaterra nega recurso dos pais do menino Alfie

Thomas e Kate Evans deverão recorrer à Corte europeia dos direitos humanos em Estrasburgo. Hospital pediátrico romano Bambino Gesù disponibilizou-se acolhê-lo por conta própria, incluindo as despesas da transferência.

Cidade do Vaticano

A Corte Suprema (STF) da Inglaterra declarou inadmissível o recurso apresentado pelos pais de Alfie Evans, de 23 meses, que busca dar nova esperança de vida ao filho que sofre de uma doença neurodegenerativa desconhecida cujos médicos pedem a suspensão do tratamento para defender o “melhor interesse” de Alfie, afirmam.

Hospital Bambino Gesù quer acolher o menino Alfie

Permanecem confirmadas as duas sentenças de primeiro grau e de apelo com as quais os juízes ingleses autorizaram os médicos do Hospital pediátrico Alder Hey de Liverpool a desligar o aparelho que o mantém em vida.

 

O melhor interesse de Alfie é não viver?

Portanto, prevalece a tese segundo a qual o “melhor interesse” de Alfie é não viver, apesar de seus pais terem pedido para assisti-lo até sua morte natural e apesar de o Hospital pediátrico romano Bambino Gesù (Menino Jesus) estar pronto para acolhê-lo por conta própria, incluindo as despesas da transferência.

 

Novo recurso à Corte europeia dos direitos humanos

Agora, Thomas e Kate Evans deverão recorrer pela segunda vez à Corte europeia dos direitos humanos que tem sede em Estrasburgo, na França, invocando o princípio do Habeas corpus segundo o qual ninguém pode ser mantido prisioneiro contra a própria vontade.

20 abril 2018, 19:29