Versão Beta

Cerca

VaticanNews
Cerimônia de casamento em Bhopal Cerimônia de casamento em Bhopal  (ANSA)

A cada ano 12 milhões de garotas se tornam “crianças esposas”

Recentemente o Unicef divulgou o número de casamentos infantis. Cerca de 12 milhões de jovens se casaram precocemente.

Cidade do Vaticano

Graças aos progressos feitos nos últimos 10 anos, foram evitados 25 milhões de matrimônios precoces. O percentual de garotas que se casaram ainda meninas diminuiu em 15% no ultimo decênio.

De acordo com os novos números do UNICEF, o número total de meninas casadas é estimado em 12 milhões por ano. Os dados indicam uma redução global de 25 milhões de casamentos, números inferiores de 10 anos atrás.

No entanto, para encerrar essa prática em 2030, a meta fixada pelo Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), este percurso deve acelerar significativamente. Sem mais aceleração, mais de 150 milhões de meninas se casarão antes dos 18 anos até 2030.

O sul da Ásia tem testemunhado a maior diminuição no mundo dos casamentos precoce nos últimos 10 anos: o risco de uma menina se casar antes de seu aniversário de 18 anos caiu em mais de um terço, de cerca de 50% para 30%, em grande parte graças ao progresso verificado na Índia.

O crescimento das taxas de educação das meninas, os investimentos pró-ativos dos governos para adolescentes e as mensagens públicas fortes sobre a ilegalidade dos casamentos precoce e os danos que causam estão entre os motivos da mudança.

Cerca de 650 milhões de mulheres hoje no mundo casaram-se ainda meninas. Enquanto o Sul da Ásia foi pioneiro na redução dos casamentos infantis nos últimos 10 anos, o peso global destes casamentos estão mudando na África subsaariana, onde as taxas de desenvolvimento devem aumentar fortemente para compensar o crescimento populacional.

Das meninas que se casaram recentemente, cerca de 1 em cada 3 estão atualmente na África subsaariana, em comparação com 1 em 5 anos atrás.

“ Quando uma jovem é forçada a se casar quando criança, ela enfrenta consequências imediatas e de longo prazo ”

Suas chances de terminar a escola diminuem, enquanto os abusos do marido aumentam e ela sofre complicações durante a gravidez. Há também enormes consequências sociais e um maior risco de ciclos Intergeracionais de pobreza ", disse Anju Malhotra, principal especialista em gênero do UNICEF.  "Dadas as consequências que o casamento infantil tem sobre a vida das jovens, qualquer redução no fenômeno é uma boa notícia, porém ainda temos um longo caminho a percorrer".

Os novos dados também destacam as possibilidades de progresso no continente africano. Na Etiópia - primeiro entre os 5 países com maior taxa de casamento infantil na África subsaariana - a porcentagem caiu em um terço nos últimos 10 anos.

"Todo casamento preventivo evitado dá a outra garota a chance de perceber seu potencial" - disse Malhotra -, mas desde que o mundo se comprometa a acabar com estes casamentos até 2030. Devemos redobrar nossos esforços para impedir que milhões de meninas interrompam a infância com essa prática devastadora".


 

06 março 2018, 14:44